Empresas poderão reduzir a jornada de trabalho e os salários

Categoria: Empresas, Jornada de Trabalho, Salários

  

Com a crise, o Governo anunciou o Programa de Proteção ao Emprego, que visa autorizar que as empresas reduzam a jornada de trabalho e façam cortes nos salários de até 30%.

O Governo, preocupado com o aumento do desemprego, principalmente no setor automotivo, anunciou na última segunda-feira (06/07), o PPE – Programa de Proteção ao Emprego, uma medida que autoriza a redução da jornada de trabalho e, consequentemente, cortes no salário dos trabalhadores em até 30% para que o país possa atravessar este momento de crise sem que haja tantas demissões como vem ocorrendo.
Para o trabalhador, o corte em seu salário na verdade será de 15%, já que o Governo utilizará os recursos do FAT – Fundo de Amparo ao Trabalhador – para bancar os outros 15%. Ainda de acordo com a presidente Dilma Rousseff, este programa tem duração máxima de 1 ano e os gastos estimados são de cerca de R$ 112,5 milhões!

O PPE foi criado em parceria com os Sindicatos dos Trabalhadores das Montadoras, porém, não contará com o apoio de Joaquim Levy, ministro da Fazenda, uma vez que o programa vai elevar os gastos do FAT justamente em um período em que o ministro, juntamente com sua equipe econômica, trabalha para conseguir reduzir estes gastos, inclusive através da restrição do acesso ao Seguro Desemprego.



Joaquim Levy se preocupa com o fato de que esta medida provisória seja entendida como uma forma de "relaxamento do ajuste fiscal", principalmente agora que o Congresso Nacional autorizou um aumento salarial para o Judiciário, além do reajuste do salário mínimo que será pago aos aposentados do INSS.
O ministro não se conforma de ter que ficar de um lado fazendo tantos cortes nos gastos e do outro, ver o Governo "relaxando" as medidas que visam ajudar o país a economizar mais.

Para o ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto, este é um projeto "ganha-ganha", onde segundo ele, vão ganhar os trabalhadores que não serão demitidos mesmo tendo uma redução no salário continuarão a ter sua renda e todos os demais benefícios, ganham as empresas que vão continuar tendo mão de obra para manterem sua produção enquanto contam com uma redução na folha de pagamento e ganha também o Governo que vai conseguir conter a onda de desemprego que vem crescendo por todo o Brasil, além de manter receitas que do ponto de vista fiscal, são fundamentais de serem mantidas em um momento de crise como este que o país atravessa.

Por Russel



Artigos Relacionados

Deixar um Comentário