Dicas de como garantir a efetivação no emprego





Depois de alguns meses no estágio ou emprego com contrato temporário normalmente de três meses, sempre chega a dúvida se a tão almejada contratação irá ser alcançada ou não. Por melhor que tenha sido sua estadia em uma empresa, ela pode virar apenas mais uma lista de empregador no currículo.

Existem algumas dicas (uma lista de comportamentos) que se seguidas podem ajudar a conseguir a efetivação. A primeira e mais importante é se mostrar necessário na empresa. Nenhum empregador contratará ninguém que faça apenas o básico, ou nem isso, durante o expediente.


Para ser necessário mostre que será útil, pois a empresa irá despender um valor mensal com você e em trocar disso deseja seu comprometimento com o trabalho. Uma boa forma de demonstrar tal postura é executando tarefas a mais que a sua rotina oferece. Faça o seu serviço, entretanto mostre-se disponível para ajudar em atividades diversas de outros colegas de trabalho, principalmente da chefia.

Disponha-se para organizar eventos e ficar até mais tarde, caso possa. Funcionários que não veem a hora do turno acabar para bater o ponto não são muito queridos por chefes e gestores e geralmente são os primeiros apontados para um corte no quadro. Considere essas ações como um investimento a médio e longo prazo, pois futuramente você sempre será lembrado na hora de pedir ajuda.

Seja pontual. Não há relatos de gestores, por mais flexíveis que sejam que tolerem falta de compromisso com o horário. Se quiser sempre ter uma boa imagem chegue antes e saia um pouco depois. Ao sair sempre pergunte se seus colegas precisam de ajuda: duas mãos trabalham melhor que uma e os dois podem sair mais cedo.


Saiba ouvir. Caso tenha cometido erros durante a execução de tarefas, ouça quais foram. Ouça também sua equipe de trabalho, pois eles podem te dar boas dicas de como executar melhor suas atividades e assim crescer na empresa. Empregadores valorizam ver o desenvolvimento positivo do funcionário e não admiram pessoas que permanecem erradas por pura vontade própria.

Por Lidianne Andrade



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *