Papel dos líderes na atualidade




Estamos a poucos dias de iniciar 2015, junto com a chegada do novo ano, temos novas expectativas quanto ao perfil da liderança futura

Nesse sentido, o novo ano vem mostrando o seu perfil já há um tempo, isto é, vê-se a necessidade de implementar soluções às antigas e indispensáveis demandas e adaptar o novo perfil de líder às atuais problemáticas existentes, entre elas as características dos novos trabalhadores. 


Há algum tempo está sendo evidente a falta de preparo dos líderes tanto no setor público quanto no privado, esta restrição pode ser a raiz de eventuais problemas de desmotivação ou indignação no trabalho. Tratar de questões de liderança não inclui somente o perfil do líder, mas também deve-se considerar os liderados e suas características. Geralmente, nas variadas situações que envolvem gestores e trabalhadores há uma necessidade de definir qual é o culpado e qual é a vítima. Obviamente, não fica difícil descobrir quem está seguidamente no papel de vítima, e esse papel é acentuado pela cultura encontrada na maior parte das empresas de sustentar a máxima "quem pode manda, obedece quem tem juízo", assim as diferenças e contradições entre líderes e liderados continua mantendo os padrões de sempre, colaborando assim, para que a empresa não consiga resolver problemáticas relativas ao comportamento. 

O primeiro passo que a empresa deve dar para que os fatores de diminuição da motivação se dissipem é entender que o líder não é somente um posto e que os empregados devem obedecer só porque são empregados. Liderança é bem mais do que isso, um líder precisa ter certas habilidades e atitudes que demonstrem a sua qualificação para estar a cargo de pessoas. Um líder deve ser capaz de ter o foco nas pessoas e atuar em prol dos seus colaboradores, isto é, deve ser capaz de realizar ações que motivem e inspirem os seus trabalhadores, criando influência e conquistando o mais precioso que um colaborador pode dar ao seu gestor, a sua admiração. Estamos falando de pessoas, como tal precisa-se valorizar os trabalhadores, adotando posturas que permitam o desenvolvimento dos mesmos. Honestidade, lealdade, empatia, são qualidades ímpares em líderes natos. 

Pessoas que assumem verdadeiramente a posição de líderes entendem que não basta mandar e ser obedecido, inclusive isso muitas vezes não é tão saudável, a liderança precisa apoiar e integrar as pessoas dentro dos grupos, sem pessoas não é possível cumprir os objetivos organizacionais. 


A consciência do líder deve alcançar a compreensão de que as pessoas para trabalharem bem, serem comprometidas e terem foco nas atividades precisam ser estimuladas sempre. O início desse processo motivacional inicia-se com o líder.

Por Melina Mariel Menezes Pereda



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *