Dicas de como fazer uma boa carta de apresentação




Usar a simplicidade é o grande segredo para fazer uma carta de apresentação que chame a atenção dos recrutadores.

Uma boa carta de apresentação significa uma grande chance de seu currículo chamar atenção de quem o lê, ela é parte essencial da sua descrição e diz muito sobre suas habilidades, principalmente de como você se apresenta para uma empresa. Mas ela não é esse bicho de sete cabeças que muitos pensam, na verdade, o segredo está na simplicidade. Sabendo disso, separamos algumas dicas para você conseguir escrever uma boa carta de apresentação.

– Seja simples e direto:


Nada de ficar contando histórias da sua vida ou coisas que não têm a ver com o cargo que você deseja, a carta não deve passar de uma página; parece óbvio mas é um erro que muitos cometem. O profissional que analisará sua carta pode ter uma fila enorme de outros currículos para ler e não vai querer perder tempo com assuntos desnecessários, mais uma vez, a simplicidade.

– Não conte mentiras:

Também parece óbvio, mas é importante frisar. Qualquer mentira que esteja em sua carta, pode te ajudar a chegar em um próximo estágio de sua contratação, seja a efetivação dela ou uma nova fase da entrevista de emprego, mas ela logo será descoberta e você não só vai ficar sem o emprego como também com a reputação manchada.


– Releia sua carta diversas vezes:

É comum cometermos erros gramaticais mesmo sem querer. Uma palavra digitada erroneamente e pode ser o fim da sua oportunidade, por isso preste sempre atenção no que está escrito e releia sua carta quantas vezes for necessário.

– Não seja chamativo:

Use sempre folha A4 de boa qualidade e de preferência branco, usar papéis coloridos podem deixar sua carta com um mau aspecto.

– Não destaque seus defeitos:

Colocar que não sabe falar inglês, por exemplo, não é uma boa maneira de se escrever uma carta de apresentação. Tente sempre destacar o que há de melhor em você e seus pontos fortes, do contrário, você pode chamar atenção de uma forma negativa.

Por Tom Vitor de Freitas



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *