Pesquisa revelou que 69% dos brasileiros não quiseram mudar de emprego no 1º semestre deste ano.

Em tempos de crise, deixar o emprego em busca de uma nova oportunidade não é, definitivamente, uma boa opção e os trabalhadores brasileiros já descobriram isso, conforme indicou uma pesquisa onde 69% dos brasileiros preferiram não trocar de emprego durante o 1º semestre deste ano.

Levando em consideram os trabalhadores mundiais, a pesquisa apontou que em 34 países, cerca de 24% dos trabalhadores se arriscaram a deixar o antigo emprego em busca de uma nova oportunidade de trabalho.
A pesquisa foi realizada por uma empresa multinacional, a Randstad, no intuito de apontar o "Índice de Mobilidade no Mercado de Trabalho" em vários países. As perguntas foram feitas para saber se nos últimos 6 meses o profissional mudou de emprego, independente de ser ou não para executar a mesma função.
A pesquisa perguntou aos trabalhadores brasileiros se, nos últimos 6 meses, eles mudaram de emprego ou pelo menos de função e 69% dos entrevistados responderão "Não". Destes entrevistados, 9% revelaram que tiveram coragem para se arriscar em busca de uma nova oportunidade e 7% disseram que a única alteração foi em relação ao posto de trabalho ocupado.

Mas o Brasil não é o único país onde os profissionais estão se sentindo inseguros para trocar de emprego, confira a relação dos outros países que ficaram na frente do Brasil, em número de profissionais que não trocaram de emprego nos últimos 6 meses:

– Luxemburgo: 93%;

– Hungria: 87%;

– Portugal: 86%;

– Argentina: 85%.

Outra questão abordada pela pesquisa foi a respeito dos profissionais que estariam em busca de um novo emprego e aqui no Brasil, 37% dos entrevistados responderam "Não", pois não estariam pensando em trocar de emprego no momento. Mas 30% destes brasileiros entrevistados disseram que no momento não estão buscando um novo emprego, porém, estariam abertos a novas propostas de trabalho e não recusariam uma boa oportunidade.

E, por fim, a pesquisa apontou novos dados em relação à posição dos trabalhadores ao mercado de trabalho:

  • 12% destes trabalhadores já tentaram alguma forma de conseguir mudar de empresa;
  • 15% estão se preparando para trocar a empresa onde trabalham por uma que ofereça melhores condições;
  • 6% atualmente estão se esforçando ao máximo para irem para uma outra companhia.

Por Russel


Segundo uma pesquisa, a igualdade entre homens e mulheres no mercado de trabalho somente ocorrerá em 2095.

O Fórum Econômico Mundial fez uma previsão nada favorável à igualdade de gênero no trabalho, pois de acordo com o Fórum, somente em 2095, homens e mulheres terão direitos iguais no mercado de trabalho. Até lá, milhões de mulheres em todo o mundo continuarão sendo injustiçadas.

Essa previsão leva em conta o ritmo lento como as transformações vêm acontecendo, por isso, uma demora tão grande para que as mulheres tenham os mesmos direitos que os homens no ambiente de trabalho.
Na última década, a diferença salarial entre homens e mulheres que ocupam um mesmo cargo realmente diminuiu, mas em uma proporção muito lenta. Com a recente declaração de David Cameron, primeiro-ministro britânico, de que iria lutar para reduzir a desigualdade dos salários entre os homens e as mulheres em seu país, o assunto voltou a ser debatido por todo o mundo.

David Cameron disse que quando as suas duas filhas começarem a trabalhar, não quer que elas encontrem o cenário que vivemos hoje e, para ele, suas filhas quando forem para o mercado de trabalho, precisam encontrar uma realidade completamente diferente e que o fato de homens e mulheres terem salários diferentes, mesmo ocupando posições iguais, deve ser coisa do passado, assim como era antigamente quando as mulheres não podiam votar e hoje elas têm voz ativa na hora de um país decidir quem será seus governantes.

A pesquisa do Fórum Econômico Mundial apontou que o Reino Unido ocupa a 26ª posição no ranking, sobre desigualdade de gênero. E mudar esta realidade em uma geração apenas pode ser possível, se houver empenho da comunidade como um todo. Mas isso é no Reino Unido, porque em outros países, a situação é ainda mais complicada, pois as mulheres quase não possuem nenhum direito garantido por lei.

No ranking de "igualdade salarial entre homens e mulheres”, o Brasil ocupa a 124ª posição, de um total de 142 países, mostrando que a situação aqui também precisa melhorar muito.

Há um consenso de que as mulheres estão conquistando seus direitos, a preocupação é com a lentidão com que isso está acontecendo, por isso a busca pela conscientização e reivindicação de que as mulheres, ao ocuparem o mesmo cargo dos homens, recebam também o mesmo salário.

Por Russel


Fundação Alexander Humboldt oferece bolsas de estudo e diversos benefícios. Inscrições podem ser realizadas até o dia 15 de setembro.

Quem deseja fazer um intercâmbio no exterior deve ficar atento às oportunidades de bolsas, e tentar variar o foco do destino desejado. Uma das maiores procuras está nos países da América do Norte, como o Canadá. Uma excelente oportunidade de estudo e intercâmbio está disponível na Fundação Alexander Humboldt, na Alemanha. As oportunidades são para pesquisa de um ano no país. As inscrições estarão abertas até o dia 15 de setembro.

Os brasileiros que possuam formação superior completa e que tenham experiência com cargos que exijam liderança em áreas como Economia, Política, Administração de Empresas, Mídia ou Cultura podem buscar a candidatura no programa German Chancelor Fellowship. As oportunidades também são para candidatos russos, chineses, indianos ou norte-americanos.

Um dos requisitos para a bolsa é a boa fluência na língua inglesa. Além disso, é preciso que um mentor redija uma carta de recomendação para a pesquisa. A carta pode ser proveniente de instituição pública ou privada. Também é necessário que seu campo de trabalho seja relacionado ao projeto que vai apresentar. Os outros requisitos necessários podem ser conferidos no edital, que foi publicado no site da fundação.

A ajuda mensal que os aprovados no processo receberão varia entre 2.150 até 2.750 euros, de acordo com as suas qualificações. Algumas despesas extras como suporte para a família do candidato, despesas na viagem ou cursos com a língua alemã também estão previstas pelo edital.

Os primeiros dois meses de estadia no país são para que os bolsistas façam um curso intensivo da língua local e se adaptem ao ambiente. Nos 12 meses seguintes os estudantes deverão desenvolver os projetos de pesquisa para o qual foram selecionados.

A oportunidade é imperdível. Além de auxílio financeiro para as despesas no local, e outros gastos que podem ser cobertos pela universidade, o estudante contará com aulas gratuitas de outro idioma, e terá contato com um local de cultura bastante rica. Além de melhorar seu currículo é uma oportunidade imperdível de agregar bagagem cultural à sua vida.

Por Patrícia Generoso


Tradutor e Especialista em Aparelhos de Medicina são as carreiras que prometem estar em alta até 2019.

Atualmente, encontrar um emprego não é tarefa nada fácil. A cada dia que se passa é necessário especializar-se mais e mais. Além disso, o curso de graduação, já se tornou algo simples e contumaz. Ser graduado em alguma faculdade, hoje, não garante um bom salário e nem oferece um ar de estabilidade na procura de um emprego. Atualmente, a especialização em áreas das mais variadas que existem é o “plus” que o mercado empregatício busca. Porém, na hora de escolher sua profissão, muitos fatores contam.

Em um passado recente, as profissões que dominavam o mercado de trabalho eram as Engenharias, Medicina e Direito. Qualquer curso fora dessas graduações não era bem visto por alguns familiares desinformados e empregadores preconceituosos que insistiam em ter fixa essa ideia. No cenário atual, por incrível que pareça, uma das profissões que mais promete crescer e empregar pessoas em todo o mundo no ano de 2019 é Tradutor. Sim! Com esse monte de livros, artigos e textos que são lançados, diariamente, em todo  mundo, não faltará textos a se traduzir e, consequentemente, muitos tradutores serão requisitados pelo mercado de trabalho.

Outra profissão que promete “bombar” até o ano de 2019 é o Especialista em Aparelhos de Medicina. Hoje, devido à grande expectativa de vida da população, aparelhos e equipamentos hospitalares são muito requisitados, porém, ainda, faltam profissionais no mercado.

O atual texto se baseou em uma pesquisa de mercado dos Estados Unidos da América, porém há de se entender que os efeitos dessas novas modalidades de profissão irão atingir todo o mundo, haja vista os efeitos da globalização que são vividos por nosso planeta desde o final dos anos de 1970.

Uma coisa é certa. Antes de pensar em executar alguma profissão, esqueça as vaidades e anseios de seus familiares e busque fazer estudos de mercado antecipadamente a fim de não se tornar mais um dos milhares de desempregados em todo o mundo.

Por Daniel Alves





CONTINUE NAVEGANDO: