É preciso ficar atento ao que o seu corpo diz ao recrutador no momento da entrevista, pois pode ser decisivo para obter um resultado positivo.

A linguagem corporal está presente em tudo o que fazemos. Seja ao acordar e mover o corpo para um lado, ao se espreguiçar, seja em um momento de tensão como numa entrevista de emprego. E o pior de tudo é que nesta última situação existe uma pessoa do outro lado para avaliar o que o seu corpo está dizendo.

Ao entrar em uma sala para entrevista, seu corpo já diz de alguma forma a que veio para o recrutador. Alguns sensíveis avaliadores conseguem discernir com certa clareza qual a sua carga de tensão naquele momento. Isso pode mudar minutos depois, mas é melhor se atentar logo antes de entrar na sala.

Sua postura no olhar, ao encarar o entrevistador, ou mesmo ao evitar olhá-lo nos olhos, pode indicar uma certa aversão ao contato humano, segundo alguns especialistas. Da mesma forma, se descuidar com a roupa a ser usada no dia D revela o grau de importância que você pode estar dando ao momento.

O aperto de mão, por exemplo, para muitos precisa ser consistente, e não apenas um “toque” de mãos. O tom de voz ao se dirigir para o interlocutor também é simbólico e significativo. E se você costuma gaguejar nos momentos de tensão, comece a se exercitar para evitá-lo – a não se que a gagueira seja na sua vida mais do que um simples “jeito de corpo”, e passe a ser algo fisiologicamente considerado com um distúrbio.

Outra dica importante é que o entrevistado não deixe transparecer desconhecimento do assunto. Se a proposta é de um trabalho ligado diretamente ao público consumidor, revele as suas aptidões no relacionamento interpessoal. Se a proposta é para um trabalho que exija esforço físico, considere-se capaz de exercer aquelas atribuições.

Por fim, cuidado com gestos corporais e tiques de nervosismos instantâneos. Não mude de posicionamento na cadeira a cada segundo, pois pode demonstrar inquietação diante do que está sendo perguntado. Evite levar a mãos por diversas vezes na cabeça (fingindo estar coçando o couro cabeludo, ou o nariz, ou as orelhas). Trabalhe as pausas da sua respiração e também atente para o movimento de pés e mãos, pois eles “falam” bastante nessas horas.

Sucesso na entrevista.

Por Alberto Vicente


Alguns tipos de entrevistas são mais realizadas em recrutamentos e servem para avaliar características específicas dos candidatos.

Você foi convocado para uma entrevista de emprego? Sabe como ela será?  Para estar preparado e mandar bem na conversa com o recrutador é fundamental conhecer a forma da entrevista. Por exemplo, ela pode ser por meio de uma conversa técnica ou até mesmo em grupo. Que tal conhecer os tipos de entrevistas mais comuns?

– Entrevista com foco em comportamento:

Neste tipo de conversa, o recrutador terá foco nas características pessoais do candidato e, assim, verá se elas são compatíveis com o cargo. Neste tipo de entrevista existem pontos fortes que são destacados como, por exemplo, experiência, conhecimento, habilidades na área, entre outras.

– Conversa técnica:

Neste tipo de entrevista, o recrutador que conhecer as habilidades do candidato na área. Desta forma, o foco é centrado nas habilidades. Geralmente, o entrevistador tem muito conhecimento da área, para avaliar o candidato.

– Entrevista de caso: lidando com um problema.

Neste tipo de entrevista, o candidato pode lidar com um problema comum que a Organização tenha passado. O foco é notar como o interessado pela vaga vai lidar com os conflitos que podem surgir na empresa e como ele vai encontrar a solução.

– Entrevista em grupo:

Este tipo de conversa é comum em processos de trainee. O candidato deve escutar atentamente a orientação do recrutador e procurar segui-la de forma adequada. Muitas vezes, é pedido uma mini apresentação da carreira do candidato, por exemplo.

– Videoconferência: a importância da tecnologia.

A videoconferência é uma entrevista realizada pelo computador. É muito comum quando a Organização esta recrutando profissionais de diferentes partes do mundo, por exemplo. Antes da entrevista, é fundamental que o candidato verifique a conexão da internet, assim como, a câmera e o microfone, para evitar qualquer tipo de interrupção durante a conversa.

– Entrevista por telefone:

Neste tipo de conversa, o recrutador procura conhecer o candidato por meio de informações básicas como pretensão salarial, horários, entre outras. As Organizações buscam conhecer mais detalhes, que muitas vezes, estão faltando no currículo. 

Por Babi


Usar a simplicidade é o grande segredo para fazer uma carta de apresentação que chame a atenção dos recrutadores.

Uma boa carta de apresentação significa uma grande chance de seu currículo chamar atenção de quem o lê, ela é parte essencial da sua descrição e diz muito sobre suas habilidades, principalmente de como você se apresenta para uma empresa. Mas ela não é esse bicho de sete cabeças que muitos pensam, na verdade, o segredo está na simplicidade. Sabendo disso, separamos algumas dicas para você conseguir escrever uma boa carta de apresentação.

– Seja simples e direto:

Nada de ficar contando histórias da sua vida ou coisas que não têm a ver com o cargo que você deseja, a carta não deve passar de uma página; parece óbvio mas é um erro que muitos cometem. O profissional que analisará sua carta pode ter uma fila enorme de outros currículos para ler e não vai querer perder tempo com assuntos desnecessários, mais uma vez, a simplicidade.

– Não conte mentiras:

Também parece óbvio, mas é importante frisar. Qualquer mentira que esteja em sua carta, pode te ajudar a chegar em um próximo estágio de sua contratação, seja a efetivação dela ou uma nova fase da entrevista de emprego, mas ela logo será descoberta e você não só vai ficar sem o emprego como também com a reputação manchada.

– Releia sua carta diversas vezes:

É comum cometermos erros gramaticais mesmo sem querer. Uma palavra digitada erroneamente e pode ser o fim da sua oportunidade, por isso preste sempre atenção no que está escrito e releia sua carta quantas vezes for necessário.

– Não seja chamativo:

Use sempre folha A4 de boa qualidade e de preferência branco, usar papéis coloridos podem deixar sua carta com um mau aspecto.

– Não destaque seus defeitos:

Colocar que não sabe falar inglês, por exemplo, não é uma boa maneira de se escrever uma carta de apresentação. Tente sempre destacar o que há de melhor em você e seus pontos fortes, do contrário, você pode chamar atenção de uma forma negativa.

Por Tom Vitor de Freitas





CONTINUE NAVEGANDO: