Aplicativo para declaração do Imposto de Renda 2018 já foi liberado pela Receita Federal.

Já estamos praticamente no mês de março de 2018 e já está na hora de realizar a Declaração do Imposto de Renda, cujo ano base é o de 2017. Para quem precisa fazer a declaração, a Receita Federal anuncia que a partir desta segunda-feira, dia 26 do mês de fevereiro, já estará disponível o programa para o preenchimento da declaração. Aos interessados a Receita Federal comunica que o programa já está disponível em seu site para o download.

Aqueles cidadãos que precisam realizar a declaração, poderão fazer isso dentro de um prazo que vai do dia 1º do mês de março até o dia 30 do mês de abril.

Caso você possua dúvidas sobre se deve ou não fazer a declaração, saiba que é obrigação a declaração por pessoas que tenham recebido rendimentos considerados tributáveis, durante o ano de 2017 , cujo valor total é maior que R$28.559,70.

Para quem exerce atividade rural, deve realizar a declaração do imposto aquele que em 2017 teve uma receita bruta cujo valor é superior a R$142.798, 50.

De acordo com informações cedidas pela Receita Federal, a expectativa para este ano de 2018 é de que sejam arrecadados um total de 28,8 milhões, tudo isso referente ao IRPF, que é o Imposto de Renda de Pessoa Física, o que representa um aumento no número de declarações, já que em relação ao ano passado de 2017, são 28,5 milhões a mais.

Para preencher a declaração o interessado deve baixar o programa em seu computador ou tablet ou ainda pode baixar o aplicativo em seu aparelho celular e preencher tudo de forma correta.

O aplicativo denominado Meu Imposto de Renda, que foi uma novidade do ano passado, possibilita o preenchimento da declaração, assim como a realização, caso seja necessário, de retificações depois que a declaração tiver sido enviada.

Há também outra opção para a declaração do imposto. Estamos falando do e-CAC, que é o Centro Virtual de Atendimento, que está no site da Receita Federal e que também disponibiliza o Programa Meu Imposto de Renda e ainda possui certificado digital.

Também devem declarar o imposto de renda pessoas físicas que residem no Brasil que receberam no ano de 2017 rendimentos considerados isentos, tributados ou não tributáveis cujo valor seja maior que R$ 40 mil, ou ainda que em um mês qualquer do ano obtiveram um ganho de capital por meio da alienação de bens e de direitos, ou por meio de operações nas bolsas de valores, ou ainda aqueles que pretendem fazer a compensação de prejuízos com atividades do meio rural. Também é obrigação realizar a declaração quem até o dia 31 do mês de dezembro de 2017 se tornou possuidor de direitos e bens, inclusive terras, cujo valor seja maior que R$300 mil. A obrigação também se aplica a quem veio morar no Brasil e que no dia 31 de dezembro se encontrava nessa condição no país. E por último, quem optou pela isenção do Imposto de Renda acerca do ganho de capital que se deu pela venda de imóveis, para o rendimento ser usado na compra de outros imóveis no Brasil.

Nesse sentido, quem até o dia 30 de abril não apresentar a sua declaração deverá pagar multa cujo valor será de 1% ao mês sobre o valor do imposto, sendo R$ 165,74 como valor mínimo e 20% como valor máximo.

Em relação às deduções por dependentes, estas possuem uma limitação de até R$ 2.275,08. Os gastos com educação têm o limite anual e individual de até R$ 3.561,50. Por último, os gastos com funcionários domésticos podem ser de R$ 1.171.

Este ano surgiram algumas novidades, entre elas a obrigação da apresentação do número de CPF dos dependentes cuja idade seja superior a 8 anos até o dia 31 do mês de dezembro do ano de 2017.

Para baixar o programa e saber de outras informações acesse o site da Receita Federal.

Ana Paula


Receita Federal libera consulta aos contemplados no 2º lote de restituição do Imposto de Renda 2017.

1,3 milhões de contribuintes serão contemplados na rodada de restituições. Nesta segunda-feira, dia 10 de julho, a Receita Federal liberou consulta ao 2º lote de restituição do imposto de renda do ano de 2017. O valor a ser restituído chega a R$2,5 bilhões.

Declarações que estarão sendo contempladas no lote

Nesta etapa de restituição, sendo o 2º lote, serão contemplados por volta de 1,3 milhões de contribuintes do imposto de renda, os quais terão direito a receber valores que estão inseridos na cifra de R$2,5 bilhões.

Neste 2º lote de restituição do IR estarão as declarações transmitidas até o dia 4 de março de 2017. Para a consulta também estarão disponíveis as restituições residuais relacionadas aos anos de 2008 até 2016.

Como pode ser feita a consulta

A consulta relacionada à restituição do Imposto de Renda do ano de 2017 começou a ser feita a partir das 9:00h desta segunda-feira, dia 10 de julho, pelo site da Receita Federal, também pelo número 146 do Receita Fone ou também pelo aplicativo para smartphones.

O contribuinte ainda poderá corrigir possíveis inconsistências existentes utilizando para isto a declaração retificadora.

Pagamento aos contribuintes

O pagamento da restituição está programado para dia 17 de julho, próxima segunda feira. A disponibilidade da restituição para saque terá como prazo máximo 1 ano após a liberação. Após isto, aqueles contribuintes que não fizerem o saque ou que não tenham indicado contas para crédito deverão solicitar novo depósito através do site da Receita Federal.

Se porventura o dinheiro esperado não for creditado, o contribuinte deverá dirigir-se à uma agência do Banco do Brasil, onde será verificada a questão ou entrar em contato utilizando os seguintes números de telefone:

  • 4004-0001 (para capitais)

  • 0800-729-0001 (para demais locais)

  • 0800-729-0088 (número exclusivo para deficientes auditivos)

Calendário das restituições

  • 1º lote – 14 de julho de 2017, sexta-feira

  • 2º lote – 17 de julho de 2017, segunda-feira

  • 3º lote – 15 de agosto de 2017, terça-feira

  • 4º lote – 15 de setembro de 2017, sexta-feira

  • 5º lote – 16 de outubro de 2017, segunda-feira

  • 6º lote – 16 de novembro de 2017, quinta-feira

  • 7º lote – 15 de dezembro de 2017, sexta-feira

Link do site da Receita Federal do Brasil: http://www.receita.fazenda.gov.br.

Por Silvano Andriotti


Saiba qual tipo de declaração do Imposto de Renda se encaixa melhor com seu perfil.

Todas as pessoas com um certa renda já sabem que, como todo ano, no mês de abril chega a hora de acertar as contas com o leão da Receita Federal. Hora de correria, ligações, procura de recibos para dedução de valores, entre outras. Esse artigo vai ajudar a esclarecer qual tipo de declaração é mais vantajosa, se é a simplificada ou a completa.

Muitas pessoas tem essa grande dúvida e além de sempre deixar para última hora, podem ter um grande trabalho desnecessariamente. Não se trata de um bicho de sete cabeças e basta um cálculo simples: O contribuinte deve calcular se todos os gastos relativos ao ano passado e que podem ser abatidos na base de cálculo da declaração, não sejam maiores do que 20% do que a renda total no mesmo período ou o valor de R$ 16.754,34.

Se tais gastos forem maiores, o mais indicado é fazer a declaração completa para poder pagar menos imposto e se a resposta for negativa, o ideal é fazer a declaração simplificada, em que existe o abatimento único de 20%, sempre se respeitando o teto de R$ 16.754,34, em substituição de todos os gastos que podem ser deduzidos.

A regra é clara e quanto maiores os gastos dedutíveis, menor será a renda tributável e por consequência, o valor do imposto devido que será pago à Receita Federal. Todas as despesas que são dedutíveis informadas na declaração pelo contribuinte deverão ser, obrigatoriamente, comprovadas.

A declaração de IR simplificada é mais indicada para quem tem uma única renda, não possui dependentes e quase nenhuma despesa com educação e saúde. Em contrapartida, as pessoas que recebem mais R$ 83.700,00 por ano, podem fazer o abatimento de menos de 20% da renda tributável, caso opte pela declaração simplificada, pois não poderão fazer a dedução maior que o valor limite informado anteriormente. Por isso, para essas pessoas, o mais indicado é que se faça a declaração completa. Somente os produtores rurais que tiveram prejuízo em 2016 a compensar e demais contribuintes que fizeram a opção de compensar o imposto que foi pago no exterior, são obrigados a fazer a declaração de IR completa.

Rodrigo Souza de Jesus





CONTINUE NAVEGANDO: