Em encontro no Peru para discutir questões sobre a economia e seu impacto no emprego, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) demonstrou preocupação junto a representantes e delegados de 70 países.

Na busca de promover crescimento econômico e maior igualdade e justiça social, a OIT pediu aos países da América que tomem medidas para conter a desaceleração econômica e com isso os efeitos sobre o mundo do trabalho, como expõe o artigo do site (economia.uol.com.br).

Além das questões de ordem econômica no continente e no mundo, o alerta ocorre também para fatores com relação à qualidade do trabalho e das vagas geradas. Falta “responsabilidade ética” sobre as condições de trabalho. “Emprego digno, proteção social e melhores salários”. Segundo o órgão, é preciso “Desenvolvimento sustentável com trabalho decente, produtividade e inclusão social”. Dessa forma será possível garantir a redução da informalidade e conduzir os trabalhadores a empregos formais.  

Ainda em relação à qualidade dos empregos, o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) também chama atenção para os empregos que estão sendo criados no mais rico país do continente americano. De acordo com sua presidente, Janet Yellen, os postos de trabalho, gerados após o forte e ainda presente momento de crise econômica, estão vindo de maneira incompleta, isso porque a qualidade do trabalho deixa muito a desejar como resultado de recuperação da economia.

Os EUA conseguiram reduzir sua taxa de desemprego de 6,1% para 5,9%, melhor patamar antes da grave crise iniciada em 2009. Porém, essa redução não está convertida em melhorias trabalhistas, ao contrário, as vagas geradas têm uma média salarial baixa. Além disso, as horas de trabalho estão bastante reduzidas, reflexo das poucas leis trabalhistas, que facilitam os empresários admitirem ou demitirem trabalhadores, ou ainda, empregarem por meio período ou menos, como relata matéria do Valor.

Os tipos de empregos nos EUA também foram alterados, “O número de pessoas empregadas em bares e restaurantes saltou 13,4% desde o fim da última recessão e o emprego total cresceu 6,2%”. Muitas pessoas querem empregos, mas não encontram, acredita Yellen. Tais fatos confirmam, portanto, que a preocupação da OIT é extremante cabível.

Por Roberta Lima


O estado do Pará é o 9o mais populoso do país, segundo dados divulgados esse ano pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com uma população de aproximadamente 7 milhões e meio de habitantes espalhados em seus municípios.

A capital Belém concentra o maior número de habitantes por município: 1.436.600 habitantes, seguida pelo município de Ananindeua, com 505.512 habitantes. Santarém e Marabá possuem 276.665 e 203,049 habitantes, respectivamente.

Por outro lado, as cidades menos populosas do estado são Itaubal, que possui apenas 3.650 habitantes, seguida por Bannach (3.947) e Cutias (4.652 habitantes).

Belém é também a segunda cidade mais populosa da Região Norte e assim como toda a região guarda fortes raízes portuguesas, que podem ser vistas nos tradicionais casarões decorados com azulejos, como a indígena, presente na culinária, através de vários pratos, entre eles o famoso pato com tucupi ou o caldo de tacacá, servido nas ruas da cidade. Também faz parte da culinária local o açaí com farinha d´água e carne de búfalo.

Apesar do forte calor da capital paraense, muitas comidas são quentes e excessivamente apimentadas, com caldos típicos e com muitas frutas exóticas, desconhecidas de muitos, já que são típicas de regiões tropicais.

A capital foi fundada em 1616 e é ponto de partida para a Ilha de Marajó e incursões pela Floresta Amazônica e Rio Amazonas. A cidade é famosa por suas mangueiras seculares, pelos casarões e pelo Mercado Ver-o-Peso, a maior feira livre da América Latina, onde se podem encontrar produtos típicos, como a cerâmica marajoara, comidas regionais e ervas medicinais.

O Círio de Nazaré é outro destaque de Belém e movimenta a cidade sempre no segundo domingo de outubro: a celebração ocorre em homenagem a Nossa Senhora de Nazaré, e é a maior festa cristã do país e a maior procissão católica do mundo, sendo celebrada desde 1973. A festa tem importante impacto na economia da cidade, já que traz cerca de 2 milhões de turista à cidade todos os anos, movimentando diversos setores da economia local.

A economia da cidade baseia-se principalmente em atividades relacionadas ao comércio, turismo e terceiro setor, no entanto, a presença de grandes estaleiros, metalúrgicas, madeireiras, empresas de pesca e beneficiamento de palmito são indicadores de forte atividade industrial no município. O turismo merece destaque: a cidade recebe anualmente milhares de turistas, dentre eles, estrangeiros que visitam os diversos pontos turísticos da cidade, como o Mercado, a Estação das Docas, o Museu de Arte Sacra, o Palacete das Onze Janelas, e ainda podem optar por um passeio de barco pelo Rio Amazonas.

A cidade é famosa por suas peculiaridades climáticas: todo fim de tarde sempre chove, e refresca a cidade. O clima é quente e úmido, com alta umidade: entre 80 a 90%. Evite viajar para a região de novembro a maio, época das chuvas intensas. E a vacina contra febre amarela deve ser tomada 15 dias antes da viagem.

Belém é uma cidade que possui alto índice de desenvolvimento humano, seu IDH é de 0,806 segundo dados de 2000 e é um dos roteiros turísticos mais procurados em todo o país.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2006, a região de integração metropolitana do município de Belém engloba, além da capital, os municípios de Ananindeua, Benevides, Marituba e Santa Bárbara do Pará, e possuía população de 2.086.908 habitantes. A população economicamente ativa (PEA) segundo dados divulgados em 2005 da Pesquisa Nacional de Amostragem por Domicílio (PNAD/IBGE) é de 32,6% do total de habitantes de toda a região de integração metropolitana.  A região Norte tem carência de profissionais qualificados, e sofre com o preconceito racial, segundo pesquisas realizadas pelo IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) todo o estado do Pará não consegue ter mais pessoas empregadas porque falta especialização da mão de obra e até mesmo escolaridade por parte dos candidatos: a região tem o maior déficit entre vagas ofertadas e vagas preenchidas do país, devido a falta de qualificação profissional de sua população.

Alguns setores de destaque no estado em termos de nível de geração de emprego são os de extrativismo mineral, comércio, agropecuária e serviços.

Lista de algumas agências de emprego em Belém:

  • Plenu Recursos Humanos : possui 15 anos de experiência em seleção, contratação e recrutamento de pessoal, tanto para prestação de serviços temporários quanto para efetivos, atuando nas áreas de treinamento, terceirização, auditoria e eventos.
    Endereço: Avenida José Bonifácio, 382, São Bráz – Belém – Pará
    Telefone: (91) 3236-3307
    Site: http://www.plenu.com.br/
  • Gelre Trabalho Temporário
    Travessa Humaitá, 2599 – Marco – Belém – Pará
    Telefone: (91) 3246-2474
  • Executiva Recursos Humanos: empresa especializada em captação de profissionais, terceirização de serviços, atua também nas áreas de recrutamento e seleção de trainees, estagiários e temporários e demais serviços relacionados ao mercado de trabalho.
    Endereço: Travessa Dom Romualdo de Seixas, 1954 – Umarizal – Belém – Pará
    Telefone: (91) 3205-8000
    Site: http://www.executivarh.com.br/

Por Cris Keller


A rede McDonalds, eleita diversas vezes como o melhor local para se trabalhar, está selecionando Gerentes de Plantão Traineee. 

São aproximadamente 100 vagas de emprego em todo o Brasil para candidatos com formação superior completa em Administração de Empresas, Economia, Ciências Contábeis, Nutrição e Marketing

Requisitos:  Espírito jovem e dinâmico e vivência em coordenação de equipes, de preferência em áreas ligadas ao atendimento ao cliente, varejo, administração ou controle de qualidade.

Caso tenha interesse nesta vaga clique aqui e cadastre o seu currículo.





CONTINUE NAVEGANDO: