É importante saber de tudo um pouco. Isso ajuda muito durante uma entrevista de emprego, numa conversa de bar, numa paquera. Antigamente, quem sabia um pouco de tudo também não ficava desempregado. Mas o tempo passa e a realidade muda, aliás, já mudou. Ser especializado faz toda diferença. Um profissional valorizado e que tem que ser especializado é o mestre de obras, que é o profissional responsável por fiscalizar e supervisionar a construção de uma determinada obra, desde o seu início até a sua conclusão. Temos ainda dentro da construção civil o Técnico em Edificações, função mais técnica do que o mestre de obras, mas igualmente especializada, pois o Técnico em Edificações executa atividades específicas de sua área, como concepção de projetos, planejamento e orçamento de obras, supervisão da execução de diferentes etapas do processo construtivo, realização do controle tecnológico de materiais e do solo, entre outras atividades relacionadas.

Outro profissional especializado necessário dentro de empresas que tem grandes quadros de funcionários é o Técnico de Segurança do Trabalho, que é o profissional responsável pela prevenção de acidentes, promoção da saúde e preservação do meio ambiente. Além disso, ele é o responsável por auxiliar o empregador e trabalhadores a cumprir as normas de segurança, saúde e meio ambiente nacionais e internacionais.

Todas essas profissões exigem estudo e preparo. São áreas em crescimento em que a procura por profissionais competentes é grande e sempre existem vagas em aberto. As remunerações variam de acordo com a região e experiência, mas um mestre de obras no estado de São Paulo tem uma remuneração média de R$ 3.500,0, por exemplo. Esse valor pode ser maior ou menor dependendo da complexidade da obra. Um Técnico em Edificações já é melhor remunerado longe do estado de São Paulo, pois é um centro formador. Técnicos de Edificações têm remuneração superior a R$ 3.500,00 em regiões onde existem grandes obras e os profissionais são escassos. Já Técnicos de Segurança do Trabalho têm remuneração que variam de R$ 1.500,00 a R$ 4.000,00, dependendo da região.

Por Luciana Viturino


construção civil continua sua expansão, motivada por benefícios do governo federal que através de programas como Minha Casa Minha Vida, tem possibilitado o acesso de famílias de baixa renda ao setor imobiliário.

De acordo com o ministério do trabalho, só neste ano o setor abriu 10.175 postos formais de trabalho, porém sua maior dificuldade tem sido encontrar profissionais qualificados, já que grande parte das obras, até mesmo por uma questão de sustentabilidade, tem apresentado incrementos nos projetos iniciais.

O setor de impermeabilização térmica e acústica, que antes contemplava apenas grandes projetos, tem sido cada vez procurado por consumidores de menor poder aquisitivo, tanto por necessidade, em especial em apartamentos e locais muito quentes, quanto por uma consciência ambiental já que é comprovada a economia de energia que têm casas que contam com este recurso.

Entretanto, conforme menciona artigo da revista Téchne, o maior déficit porém tem sido na mão de obra especializada, pois embora os produtos mais utilizados como manta asfáltica por exemplo, sejam de fácil aplicação, é necessário o mínimo de conhecimento técnico na área.

Esta falta de profissionais é confirmada por Tiago Alves, da Pittcon de Bauru, que hoje comercializa produtos de impermeabilização em conjunto com outros parceiros que forneçam profissionais qualificados.

Por conta disso, o IBI (Instituto de Impermeabilização Brasileiro) tem se unido ao Senai, que já oferece noções de formação técnica através de cursos à distância, e também aborda o tema e seus cursos de edificações.

Hoje mesmo podem ser encontradas diversas oportunidades de emprego para impermeabilizadores e auxiliares em sites como www.empregocerto.com.br; www.infojobs.com.br; e nas próprias empresas especializadas, como a Salles Impermeabilizações e a Viapol.

O piso salarial é de R$ 960,00, e além da habilidade em aplicar os produtos é pedido apenas ensino fundamental.

Por Stefania Cardoso


A Companhia Vale, empresa pioneira no setor de mineração está com 30 vagas para o curso de pós-graduação na área de portuária. Através do Programa de Especialização Profissional, a companhia espera especializar profissionais da área de engenharia para atuar no segmento de mineração.

Com duração de 360 horas, os candidatos contemplados receberão uma bolsa de estudo mensal no valor de R$ 3.000,00. Para se inscrever, é necessário que os candidatos tenham se formado até três anos em áreas da Engenharia.

Participe do processo seletivo ao fazer sua inscrição pelo site da Vale no www.vale.com/oportunidades até o dia 11 de julho de 2010.

Por Camila Porto de Camargo





CONTINUE NAVEGANDO: