Há alguns dias o site americano CareerBliss divulgou uma lista com as empresas americanas onde os funcionários estão mais satisfeitos e felizes.

O ranking foi elaborado tendo como base as milhares informações que os empregados reportam ao site. Uma das informações fornecidas são os salários.  

Abaixo você verá quais são as remunerações médias, mais altas e mais baixas informadas em cada uma das empresas mais felizes:  

1. Johnson & Johnson:

– Salário mais alto: 200 mil dólares por ano (cargo: Diretor de Biometria).

– Salário mais baixo: 26 mil dólares por ano (cargo: Atendimento e Suporte ao Cliente).

– Média salarial: 71 mil dólares por ano (34 dólares por hora).  

2. Broadcom:

– Salário mais alto: 172 mil dólares por ano (cargo: Diretor de Engenharia).

– Salário mais baixo: 33 mil dólares por ano (cargo: Assistente Administrativo).

– Média salarial: 85,5 mil dólares por ano (41 dólares por hora).  

3. Chevron:

– Salário mais alto: 172 mil dólares por ano (cargo: Conselheiro Sênior).

– Salário mais baixo: 18 mil dólares por ano (cargo: Caixa).

– Média salarial: 56 mil dólares por ano (27 dólares por hora).  

4. Texas Instruments:

– Salário mais alto: 174 mil dólares por ano (cargo: Diretor).

– Salário mais baixo: 29 mil dólares por ano (cargo: Especialista WF).

– Média salarial: 75 mil dólares por ano (36 dólares por hora).  

5. McAfee:

– Salário mais alto: 170 mil dólares por ano (cargo: Diretor Sênior de Engenharia).

– Salário mais baixo: 30 mil dólares por ano (cargo: Assistente Administrativo).

– Média salarial: 83 mil dólares por ano (40 dólares por hora).  

6. Google:

Salário mais alto: 215 mil dólares por ano (cargo: Gerente Executivo de Equipes).

– Salário mais baixo: 25 mil dólares por ano (cargo: Digitador).

– Média salarial: 70 mil dólares por ano (34 dólares por hora).  

7. Intuit:

– Salário mais alto: 157 mil dólares por ano (cargo: Engenheiro Sênior).

– Salário mais baixo: 25 mil dólares por ano (cargo: Examinador Médico).

– Média salarial: 71 mil dólares por ano (34 dólares por hora).  

8. Adobe:

– Salário mais alto: 144 mil dólares por ano (cargo: Arquiteto Técnico).

– Salário mais baixo: 39 mil dólares por ano (cargo: Coordenador da Área de Aluguéis).

– Média salarial: 90 mil dólares por ano (43 dólares por hora).  

9. Amgen:

– Salário mais alto: 184 mil dólares por ano (cargo: Consultor Sênior).

– Salário mais baixo: 29 mil dólares por ano (cargo: Atendimento e Suporte ao Cliente).

– Média salarial: 75 mil dólares por ano (36 dólares por hora).  

10. SAP AG:

– Salário mais alto: 184 mil dólares por ano (cargo: Diretor Sênior).

– Salário mais baixo: 30 mil dólares por ano (cargo: Estagiário).

– Média salarial: 85 mil solares por ano (41 dólares por hora).  

11. Fidelity Investments:

– Salário mais alto: 192 mil dólares (cargo: Vice-Presidente Sênior).

– Salário mais baixo: 22 mil dólares (cargo: Auditor de Qualidade).

– Média salarial: 65 mil dólares por ano (31 dólares por hora).  

12. Qualcomm:

– Salário mais alto: 161 mil dólares por ano (cargo: Diretor de Marketing Sênior).

– Salário mais baixo: 27 mil dólares por ano (cargo: Balconista Administrativo).

– Média salarial: 80 mil dólares por ano (38 dólares por hora).  

13. Advanced Micro Devices (AMD):

– Salário mais alto: 150 mil dólares por ano (cargo: Gerente Sênior).

– Salário mais baixo: 36 mil dólares por ano (cargo: Engenheiro Trainee).

– Média salarial: 77 mil dólares por ano (37 dólares por hora).  

14. FedEx:

– Salário mais alto: 141 mil dólares por ano (cargo: Gerente de Projetos Sênior).

– Salário mais baixo: 20 mil dólares (cargo: Assistente de Estoque).

– Média salarial: 40 mil dólares por ano (19 dólares por hora).  

15. Visa:

– Salário mais alto: 153 mil dólares por ano (cargo: Diretor).

– Salário mais baixo: 22 mil dólares por ano (cargo: Gerente Administrativo).

– Média salarial: 85 mil dólares por ano (41 dólares por hora).

Por William Nascimento


Você já precisou faltar ao trabalho? Sabia que existem desculpas comuns usadas por muitas pessoas? As desculpas usadas para justificar as faltas são inacreditáveis e cheias de criatividade. Ou seja, vale tudo para que o chefe não desconte o dia de falta do colaborador da empresa ou mesmo não o mande embora. Que tal ficar por dentro das justificativas mais criativas?

A imaginação do ser humano vai longe. Seja para faltar ao trabalho para curtir um feriado prolongado ou dormir até mais tarde depois de uma festa, os trabalhadores estão cada vez mais criativos com a desculpa para ganhar um dia de folga na empresa.

Entre as mais utilizadas destacam-se:

– Empregado acabou de colocar uma caçarola no forno;

– Ida ao cirurgião plástico para fazer uns ajustes na cirurgia;

– Empregado esteve no cassino todo o fim de semana e ainda tinha dinheiro sobrando para jogar na segunda-feira;

– Empregado teve seu uniforme queimado no momento de passar;

– Empregado pegou acidentalmente um avião;

– Empregado acordou de bom humor e não queria que nada estragasse a sua alegria;

– Empregado tinha uma pedra na vesícula que queria curar de forma holística;

– Empregado estava sentando no banheiro e tanto os pés, quanto as pernas adormeceram. Quando se levantou, caiu e quebrou o tornozelo.

Mas, existem pessoas honestas. Por exemplo, mais da metade dos trabalhadores diz ter ido ao serviço mesmo doente, porque a tarefa não podia ser desempenhada por outra pessoa. Além disso, 2 em cada 5 trabalhadores fizeram o mesmo, porque eles não queriam perder um dia de pagamento.

Essa pesquisa foi realizada entre os meses de agosto e setembro que teve 3.103 trabalhadores e também 2.203 gerentes de contratação e profissionais de recursos humanos. O estudo foi realizado nos Estados Unidos.

O que achou da pesquisa? O ser humano está cada vez mais criativo, não acha? Mas, ainda bem que existem pessoas honestas e íntegras. 

Por Babi


Em qualquer profissão é vital que os funcionários se sintam motivados. O dinheiro não é a chave para motivar os colaboradores de uma companhia para os estimular a fazer seu trabalho da melhor forma, sempre pensando nas melhores escolhas para a empresas. Há outras coisas que podem motivar os funcionários. Algumas delas são bem simples de serem executadas e apresentam resultados incríveis.

Certamente, com uma equipe motivada a empresa poderá colher melhores frutos e conseguir um ambiente de trabalho produtivo e bastante profissional. Veja abaixo quais são cinco maneiras de motivar uma equipe mais do que o dinheiro:

1. Seja generoso e elogie:

Todas as pessoas gostam de receber elogios quando executam uma atividade com primor. Portanto, se um funcionário fez seu trabalho com boa qualidade o elogie. Você o estimulará a fazer cada vez melhor com apenas poucas palavras. Isso também ajudará o funcionário a não encarar seu trabalho como um fardo.  

2. Deixe que eles tenham ideias:

Trabalhe em um ambiente onde todos possam opinar e talvez executar alguma função como acham que deve ser feita. Não dê muito padrão para as coisas serem realizadas. Deixe que os funcionários de determinado setor possam surpreender a empresa e a eles próprios. Ordenar que tal atividade seja executada exatamente como foi pedido não ajudará a despertar o melhor de cada funcionário.   

3. Nunca critique:

Nenhum profissional, por melhor que possa ser, gosta de ser criticado. Quando isso acontece em público é pior ainda. Por isso, quando você precisar apontar algo errado em um determinado profissional, faça isso de forma que a pessoa possa aprender com seus erros.  

4. Deixe todos serem líderes:

Enfatize os pontos fortes de cada pessoa e deixe-as saber o que podem fazer para executar uma tarefa da melhor maneira. Em outras palavras, deixe que, pelo menos às vezes, os funcionários liderem suas próprias atividades.  

5. Reconheça o profissional que sempre é correto:

Todas as empresas contam com este tipo de profissional. Aquele que sempre se destaca em relação aos outros, por sua seriedade, comprometimento e qualidade em executar suas funções. Infelizmente grande parte deles são tratados como os demais, e isso não é o correto. Por isso recompense os funcionários que sempre se destacam. Pequenas recompensas como uma sessão de Spa, um dia com a família em um hotel fazenda, ou até mesmo meio período de folga em uma sexta-feira, certamente ajudará não só a ele, mas a todos a se sentirem mais motivados.

Por William Nascimento


Que tal implantar o programa 5S no seu trabalho? O programa é uma ferramenta, que é usada para implantar o Sistema de Qualidade Total. O método é originado do Japão e tem a finalidade de reestruturar, organizar e melhorar a produção das indústrias japonesas. Ao implantar o programa no seu cotidiano de trabalho, é possível melhorar o desempenho e a produtividade.

1º S – Seiri – senso de utilização:

Separe as coisas necessárias e elimine tudo o que você não usa mais. Jogue fora caneta sem tinta, papel, rascunhos, ou seja, tudo o que ocupa um espaço desnecessário no local do seu trabalho.

2º S – Seiton – Senso de organização:

Deixe tudo o que você precisa perto de você. Lembre-se de que cada coisa deve ficar no seu devido lugar. Quando for necessário arrume ou agrupe os objetos, para que fique fácil manuseá-los e encontrar o que precisa.

3º S – Seisou – senso de zelo ou limpeza:

Elimine a sujeira, manchas, poeira ou qualquer outro tipo de resíduo do seu ambiente de trabalho. Antes de iniciar as suas atividades, procure limpar a mesa e também o seu computador.

4º S – Seiketsu – Senso de saúde e higiene:

Procure conservar a limpeza do ambiente, assim, você pode criar uma padronização. Mantenha as coisas limpas e organizadas. Assim, o seu local de trabalho será muito mais agradável.

5º S – Shitsuke – Senso de autodisciplina:

Procure cumprir as coisas do seu trabalho de forma disciplinada e focada. Estabeleça padrões e cumpra rigorosamente o seu cronograma diário com as tarefas que foram propostas. Não desperdice tempo com coisas que não tenham a ver com o assunto. Mantenha a concentração na atividade que está realizando.

Além de implantar o 5S no seu trabalho, você também pode fazer isso na sua casa. Aos poucos, os resultados podem ser notados, assim como a qualidade.

O que achou da ferramenta 5S? Vai implantar ela no seu trabalho? Depois conte para a gente o resultado.  

Por Babi


O bem-estar no ambiente de trabalho é uma busca constante de diversos profissionais, diversos departamentos, a fim de promover um ambiente criativo e produtivo. Estar de bem com seus colegas e com o ambiente físico que o envolve garante que os pensamentos estejam motivados e livres para alcançarem ideias novas e seguirem rumo ao alcance de metas, rumo às conquistas mais íntimas.

Por outro lado, problemas podem fazer com que a equipe perca muitas horas de trabalho. Distrações, deslocamentos desnecessários, falhas com as atuais tecnologias, como internet e telefone, podem fazer com que cerca de 44 horas produtivas por semana caminhem "ralo abaixo", de acordo com pesquisa da Steelcase, empresa de mobiliário corporativo. A pesquisa acusou também que cerca de 17% das despesas com os colaboradores da empresa são devidos a tais falhas.

A conclusão foi determinada após considerar o tempo que os funcionários afirmaram perder tentando resolver essas questões.

No Brasil, a pesquisa foi realizada em julho deste ano com empregados de multinacionais que atuam aqui no país.

Os funcionários apontaram alguns fatores que julgaram relevantes, como retenção de talentos, incentivo à inovação e criatividade, e satisfação da força de trabalho.

Nesse contexto, cerca de 86% dos talentos são perdidos, eles vão em busca de oportunidades que os reconheçam e estimulem sua capacidade produtiva. A pesquisa também mostrou que as formas de trabalho devem se modificar, com opções mais flexíveis, por exemplo, com ambientes mais informais e por que não o Home Office.

De acordo com a responsável pela pesquisa, Izabel Barros, os dados indicam que, no futuro, as atividades Home Office tendem a aumentar, os trabalhos tendem a invadir as fronteiras para fora dos edifícios de concreto. Ela acredita que caminhamos para um ecossistema de espaço de trabalho que envolve nossas casas, o escritório, e espaços públicos. Dessa forma os gestores também otimizariam os custos, mantendo os melhores talentos.

Por Vivian Schetini


Estabelecer boas relações no trabalho é algo difícil para algumas pessoas, pois envolve a compreensão de diversos fatores, entre eles, amizade, respeito, cordialidade, entre outros. É claro que esse assunto se torna mais complexo no trabalho, afinal, é um ambiente onde as pessoas se convivem praticamente o dia todo. E, para que essa convivência seja harmoniosa e proveitosa, é preciso estabelecer bons vínculos, ou seja, boas relações.

Veja algumas dicas simples:

– Respeite as diferenças. Quando falamos em diferenças, entramos em uma versão totalmente ampla do assunto, onde envolve diversos aspectos. Se analisarmos pelo lado instintivo, cada um quer ter mais privilégios que os outros, e isso impedem as pessoas de terem empatia pelo próximo, no geral. Por isso, a melhor coisa que você precisa fazer para garantir uma boa relação é ter respeito pelas diferenças acima de tudo, pois são com elas que se pode aprender a cada dia.

– Seja flexível. Ser uma pessoa flexível implica em ter que abrir mão de você mesmo às vezes para poder se adaptar ao outro em prol de uma boa convivência e respeito. Quando você se torna uma pessoa flexível, as pessoas te respeitam mais também e se sentem mais a vontade perto de você.

– Seja compreensivo. Pessoas que são compreensíveis têm a capacidade de se decepcionar menos e observarem mais.

– Se preocupe mais em ajudar o próximo. Pessoas que ajudam o próximo têm mais autoconfiança e autoestima elevada.

– Reconheça seus erros. As pessoas que sabem reconhecer seus erros são capazes sentir mais empatia pelo próximo. Enfim, trate as pessoas como você gostaria de ser tratado. Se coloque no lugar do próximo, assim você estará estabelecendo uma relação de confiança também, pois normalmente, as pessoas costumam se sentir mais segura perto de pessoas que passam confiança.

Experimente colocar aos poucos essas dicas em prática e perceba a diferença nas suas relações.

Por Daniela Almeida da Silva


Ser promovido no emprego é o sonho de todo mundo, mas mesmo assim, será que as pessoas aceitariam ficar anos no mesmo cargo e na mesma empresa?

Uma promoção é sempre bem-vinda e acrescenta muito na vida do funcionário, o reconhecimento é bom para todos. Normalmente, o que as pessoas não sabem, é que além da promoção, o aumento salarial, o prestígio do cargo, há também a responsabilidade de gerir uma nova posição ou uma nova equipe. É óbvio que se um funcionário teve uma promoção é porque alguém acreditou no potencial e na aptidão dele para aquele cargo. Veja abaixo algumas dicas simples que te ajudarão a fazer juz a uma promoção no emprego:

– Primeiramente agarre a oportunidade com toda felicidade do mundo e passe a estudar todas as possibilidades de você começar a ir bem no cargo que lhe foi concedido. Tente ser ainda melhor do que antes e surpreenda a todos.

– Tenha postura adequada para este cargo. Em um cargo de gerência, por exemplo, você deve impor respeito, exigindo ética de todos, mas cuidado para não se tornar uma pessoa arrogante.

– Cuidado para não deixar o cargo tomar conta do seu ego. Tenha humildade com as pessoas para que elas enxerguem isso em você como uma qualidade, assim com certeza sua relação com as pessoas será a melhor. Saiba que você ganhou a promoção e não a empresa.

– Faça suas tarefas com amor e não se afaste completamente da parte operacional, mesmo isso sendo quase inevitável, é importante que você conheça as demais funções da área operacional e acompanhe tudo de perto para saber o que está acontecendo. Isso irá ajudar a melhorar muito a sua visão líder e vai facilitar seu trabalho.

– Caso achar necessário, peça ajuda e informações para um outro profissional especializado na área para orientar você, isso pode melhorar seu desenvolvimento na função. Um Coaching seria ideal.

– Enfim, depois de uma breve comemoração, bom trabalho!

Por Daniela Almeida da Silva


Brasil é país com costumes que giram em torno de valores como a constituição familiar e a coletividade. Esse último nos possibilita a compartilhar diversos assuntos com pessoas próximas. São informações que culturalmente tem o poder fazer ou desfazer qualquer intenção a respeito da imagem de alguém, de algum produto ou lugar. Chamamos isso de poder do 'boca a boca', falando popularmente. 

Com a tecnologia como principal ferramenta, hoje em dia temos o poder de construir a reputação de qualquer coisa com a massificação que as publicidades de TV e internet geram na mídia. Desta forma, propagar um produto ou uma informação que seja, ficou mais fácil do que se imagina e pode atingir patamares antes inatingíveis.  

Com apenas um piscar de olhos uma opinião simples, uma reclamação ou qualquer outro assunto chega aos nossos ouvidos, e nessa brincadeira a mídia pressiona mais ainda as empresas, requerendo preparos necessários para estar dentro de tais posições.

Para que as empresas não entrem nessa competitividade, é necessário que elas conheçam as expectativas dos clientes a cerca de um determinado produto, por exemplo, para que ela possa atingi-los da forma mais satisfatória possível e mais do que antes. Mesmo que a propaganda seja importante,  é necessário colocar também outros fatores em relevância, como dar mais atenção aos seus clientes, saber das experiências anteriores com outros produtos, fazer pesquisas de mercado, entre outros. Com os clientes satisfeitos e com suas necessidades atendidas,  a empresa será capaz de construir um fluxo positivo em volta de seus produtos e negócios.

Já os funcionários, por exemplo, podem atuar na parte de transmissão da imagem positiva da empresa, mas para isso acontecer é preciso que a empresa mostre isso aos seus funcionários por meio de reuniões, comunicação interna, convenções, palestras, entre outros meios além de só ficar promovendo a marca de seus produtos e fazer com que seus funcionários sejam a imagem deles.

Por Daniela Almeida da Silva


Quando as férias chegam ao fim, muitos profissionais demoram para se adaptar a rotina de trabalho novamente como antes. Na verdade, essa fase de adaptação demora de uma semana a 14 dias para voltar.

Ana Maria Rossi, presidente da Isma-BR (Internacional Stress Management Association no Brasil), diz que é normal o profissional ter esses sintomas de readaptação, pois nas férias por exemplo, ele não tinha hora para almoçar, acordar, etc.

Se esses sintomas de adaptação se prolongarem, seguidos pelo cansaço excessivo, preguiça, sono e falta de concentração ou motivação desde o 15° ao 30° apos as férias, será caracterizado como depressão pós-férias.

De acordo com Ana Maria Rossi, esses sintomas podem ser tanto físicos quanto emocionais. Os trabalhadores são capazes de sentir dores musculares e sintomas emocionais de depressão que podem afetar completamente o comportamento do profissional.

Confira abaixo algumas dicas para amenizar os efeitos da "depressão pós-férias”, caso você esteja passando por isso:

– Acerte seu relógio biológico:

Mais ou menos uns três dias antes de retornar ao trabalho acompanhe o horário de trabalho como se já estivesse trabalhando. Adapte-se aos horários de dormir, acordar, almoçar, etc.

– Encurte o período de férias:

Se você estiver viajando, retorne no mínimo 48 horas antes de voltar a trabalhar. Alguns profissionais, por exemplo, retornam em cima da hora e começam a trabalhar sobrecarregados da viagem ou das férias e depois sentem dificuldade de se adaptar.

– Estabeleça uma "válvula de escape":

Para compensar as atividades sobrecarregadas do trabalho faça atividades prazerosas. Nessa hora vale tudo, desde um hobby a uma ação voluntária, diz Ana.

– Expresse-se:

Alguns profissionais têm medo de expor suas dificuldades ao chefe. Se você se propor a comunicar de forma transparente sobre sua situação, conseguirá lidar melhor com seus problemas no trabalho. Se mesmo assim estiver difícil se expressar, utilize outros meios, como, por exemplo, a caixa de sugestões e críticas no trabalho. Isso pode ajudar.

– Fique atento às oportunidades:

De acordo com Ana, se você não estiver preparado para tais evidências ou achar que a empresa não compreenderá o seu lado, deve procurar então outras oportunidades. Para isso, esteja mais atendo às oportunidades de emprego ao seu redor. Se você confia nas suas próprias competências, então deve abrir mão.

Por Daniela Almeida da Silva


Você se encontra em uma situação crítica em seu trabalho? Talvez esteja faltando um pouco de alegria no seu ambiente de trabalho para tornar você mais feliz. É o que afirma Nataly Kogan, CEO e co-fundadora da Happier, empresa startrup que tem como objetivo ajudar pessoas a serem mais saudáveis e felizes em todas as áreas de suas vidas.

Recentemente, Nataly publicou no site de moda Refinery29, um manual com 10 dicas para ajudar as pessoas a terem uma visão diferente e mais divertida de seu ambiente de trabalho, confira:

– Dê uma escapadinha de 60 segundos:

Configure seu celular para despertar durante o dia e faça pequenas pausas. Levante-se da mesa, espreguice-se, respire fundo e esqueça um pouco o computador e o celular. Caminhe pelo escritório, tome um café, um chá ou coma aquele seu chocolate predileto. Retorne depois para sua mesa.
Você perceberá que está mais calmo, renovado e com mais controle para gerir suas tarefas.

– Realize uma outra tarefa antes de checar seu e-mail:

Para ganhar tempo, faça uma outra tarefa antes de abrir seu e-mail, assim você não se sentirá sobrecarregado e terá mais pique para realizar as próximas tarefas do dia também.

– Bloco de anotações:

Reserve um bloco de notas para fazer anotações pessoais durante seu expediente, como por exemplo os acontecimentos positivos do dia a dia. Isso trará mais otimismo, além de passar segurança e entusiasmo para encarar os próximos dias de trabalho.

– Dedique-se para deixar seu espaço de trabalho mais legal:

Dê um toque especial levando uma foto favorita sua e exponha ela de um modo divertido, usando sua criatividade para trazer humor ao ambiente. Se possível, utilize outros acessórios engraçados como porta canetas e outros objetos personalizados.

– Pratique gentileza todos os dias:

Seja gentil com seus colegas e faça a diferença. Surpreenda-os levando alguma comida que eles mais gostam e faça uma surpresa para eles. Pode ser um bolo, uma torta ou algum outro aperitivo. Procure elogiá-los. Chame alguém para sair e seja mais engraçado com eles. Isso trará bem-estar para você e consequentemente para todos.

– Ouse nas reuniões:

Procure ousar um pouco. Faça reuniões em uma caminhada ao invés de ficar sentado o dia todo trancado em um escritório. Isso te deixará mais leve para cumprir suas tarefas.

– Saiba procrastinar com inteligência:

Ao invés de ficar adiando uma tarefa ou ficar olhando para o relógio esperando o tempo passar rápido, troque sua tarefa por uns instantes por algo mais inteligente, como uma página de seu livro favorito ou sites de informações precisas na internet. Você se sentirá mais disposto.

– Gerencie melhor suas tarefas:

Estabeleça uma hora para cada tarefa, no mínimo, e dedique-se para cada uma apenas. Evite fazer tudo ao mesmo tempo, pois isso pode te deixar menos eficiente e mais estressado. Lembre-se de se desligar da internet nesse tempo.

– Levante-se ou sente-se melhor:

Sentar-se de modo incorreto vai te deixar indisposto. Prefira levantar e dar uma caminhada no escritório para se movimentar, nem que seja pra tomar uma água. Faça isso como regra.

– Tenha sua música favorita por perto:

Ouça sua canção favorita antes de começar o trabalho ou quando sentir vontade de relaxar. Isso te dará uma dose de energia. 

Por Daniela Almeida da Silva


A cada dia que passa é mais natural que os funcionários de diversas empresas vendam as suas férias para ter uma rentabilidade maior em seu orçamento naquele mês, porém, é possível dizer também que as empresas estão fazendo cada vez mais questão que os seus colaboradores tenham sim um período de descanso, pois dessa forma o bom desempenho do mesmo pode ser ainda superior caso ele fique um longo período realizando suas tarefas.

Uma forma de confirmar que as empresas valorizam cada vez mais os candidatos que aproveitam as férias é que uma das perguntas de uma entrevista de processo seletivo é “O que você faz nas horas livres?”.

Saiba que uma pessoa faz em seu tempo livre diz muito sobre a sua personalidade, e melhor, caso ela não tenha muitos momentos de lazer e de descontração, ela tende a ficar entediada e estressada com mais facilidade em um curto período de tempo dentro de uma organização.

Uma pesquisa foi realizada pela Trabalhando.com, e de acordo com os dados levantados por ela foi possível constatar que 70% das empresas preferem que os seus funcionários saiam sim para ter o seu período de férias para descansar e se divertir.

Esse período de férias pode ser utilizado para a realização de viagens ou até mesmo apenas para descansar, mas o resultado é bem gratificante na volta do mesmo, pois o profissional vai ter se desligado por um tempo das atividades realizadas na empresa, e isso faz com que ele sinta uma maior expectativa na volta, e o alto padrão de qualidade na execução do seu serviço poderá até mesmo ser comparado quando o mesmo foi admitido.

É fundamental ter também um período de descanso nas suas folgas, e especialistas ainda citam que ter um hobbie, gostar de sair para passear ou para praticar esportes e fazer coisas do mesmo gênero são as medias cabíveis para manter a qualidade de vida e ficar longe dos sintomas de estresse.

Por Josiane Fernandes de Jesus


O mercado de trabalho está cada vez mais competitivo, e isso não quer dizer apenas que os empregadores buscam profissionais capacitados, com formação e experiência de mercado. É claro que estes fatores são fundamentais para que o profissional mostre seu perfil ao futuro patrão, mas existem algumas situações que podem fracassar a carreira de qualquer profissional, por mais bem “preparado” ele esteja. A Sociedade Brasileira de Coaching realizou um levantamento com algumas atitudes muito comuns em alguns profissionais que acabam fazendo com que o mesmo não consiga deslanchar em sua carreira.

Confira algumas dessas atitudes para evitar ser um destes profissionais:

1. Falta de Interesse:

Merecidamente, a falta de interesse está no número 1 do ranking, isso porque ela pode estar, algumas vezes, paralelamente ligada à desmotivação do profissional. "Não inteirar-se sobre os procedimentos da empresa pode ser interpretado pelos gestores como falta de interesse pela organização", afirma Villela da Matta, presidente da Sociedade Brasileira de Coaching.

2. Incompatibilidade com o perfil da empresa:

Um fator muitas vezes desconsiderado por muitos profissionais na hora de buscar um colocação no mercado, no entanto, a ausência de compatibilidade entre os valores do profissional com os da empresa pode ser um risco ao sucesso profissional. Isso não quer dizer que eles precisam ser idênticos, mas é necessário que o profissional se sinta confortável com a vivência destes valores.

3. Má utilização de Recursos:

Passamos grande parte do dia dentro das empresas em que trabalhamos, mas isso não pode ser confundido, tornando a empresa sua casa, portanto evite o uso indevido de recursos da organização. Isso equivale a não usar o telefone para fins pessoais desnecessários, como bate papos, e também não usar os acessos para bisbilhotar as redes sociais no horário de expediente.

4. Excesso de Ego:

“Olhar para o próprio umbigo” essa antiga expressão fala muito disso. Se achar o melhor profissional sem considerar o conjunto, além da incapacidade de assumir eventuais erros pode ser um fator prejudicial para uma carreira saudável.

Por Jaime Pargan


O mercado nos últimos anos mudou muito e novas carreiras foram criadas. Muitos profissionais podem se encontrar satisfeitos com a carreira e a empresa que trabalham, mas ainda há desafios. Um deles é se perguntar se essa realidade vai durar até a próxima década.

Para saber melhor sobre isso e dar algumas dicas aos leitores, três especialistas do mercado deram algumas dicas para ajudar os profissionais a se manterem atualizados em suas carreiras para os próximos anos.

A primeira dica delas é ampliar o foco de atuação. A tendência é que as empresas exijam profissionais que tenham uma visão generalista e consigam identificar outros assuntos. O profissional que descobrir e conhecer melhor os outros departamentos da empresa vai ser um diferencial. Essa é a opinião do diretor executivo Adriano Araújo.

O parâmetro vem de mercados mais maduros, como os Estados Unidos e Europa, que já exigem que seus funcionários tenham uma visão mais abrangente, segundo o gerente executivo de TI, Henrique Gamba.

Outro quesito é o funcionário se antecipar ao conhecimento. Ele não pode esperar seu chefe cobrar um curso em um determinado assunto, a proatividade deve ser uma constância. Essa atualização será importante para que o profissional preencha as lacunas do tempo em sua formação profissional. A acomodação transforma o empregado em um obsoleto, de acordo com a Presidente do Grupo Empreza, Helena Ribeiro.

O profissional também precisará ser menos conservador. Conviver e saber lidar com outras culturas e a diversidade será um diferencial importante. O mercado do futuro tem a cara dessas exigências. O empregado precisa estar aberto para trabalhar e lidar com pessoas diferentes dele, em todos os sentidos. E isso será uma forma de enriquecimento pessoal tanto para ele quanto para a empresa. Para quem ainda não tem muito conhecimento no assunto, pode ser interessante um intercâmbio cultural para essa multiculturalidade da globalização.

E para a próxima etapa, que está ligada à convivência cultural é ao domínio do inglês. Essa é uma fala antiga, mas que muitas empresas deixam passar porque a maioria dos profissionais brasileiros ainda tem essa deficiência de não ter uma fluência em uma segunda língua. E para crescer como Rússia, China e Índia, o Brasil precisa ter o domínio de outro idioma para conseguir fazer negócios globais, segundo a opinião de Henrique Gamba.

Outras exigências serão as entrevistas por videoconferência ou por telefone e o trabalho à distância e com interação com pessoas em diferentes localidades. 

Por Carolina Miranda


Exemplos de decepção no trabalho dos sonhos são mais comuns do que a gente imagina. O mais recente e que ficou bem conhecido é o caso do americano Jordan Price, que tinha um sonho de trabalhar na Apple e se decepcionou quando a oportunidade apareceu. Price criou um blog em que relatou sua experiência e contou detalhes de como funcionou o trabalho por lá.

Os bastidores da Apple, segundo Price, não era tão bons assim. O chefe gritava e insultava a equipe o tempo todo e ameaçava Jordan. O horário de trabalho era muito mais longo do que se imaginava e o excesso de reuniões cortava a produtividade. O texto, em abril, estava com 22 mil curtidas e 3 mil compartilhamentos no Facebook.

Experiências assim já fazem parte da vida de muitos profissionais. Isso se ocasiona por causa da distância que existe entre expectativa e realidade. Um site chamado Glassdor realizou uma pesquisa que conclui que de cada dez profissionais que mudaram de emprego há pouco tempo, seis deles encontraram uma rotina de trabalho bem diferente do que imaginavam.

Segundo a coach Eliana Dutra, não existe empresa perfeita. Muitas delas usam a fama de seus produtos para conseguir angariar empregados, mas que na realidade o ambiente interno não é tão interessante assim. A sensação de deslocado nos primeiros meses em uma empresa é normal, contudo se essa percepção continuar a conclusão é de que o profissional não se identificou com a organização. O jeito é tentar se adaptar ou conseguir uma oportunidade em outro lugar.

Para os ambientes que possuem muita pressão, o profissional precisa estar atento. Mesmo que nos primeiros dias seja traumático, o empregado não pode desistir tão logo, é preciso persistir mais um pouco. As decisões precisam ser racionais e não por impulso.

Outra dificuldade encontrada por algumas pessoas é quando as atividades se tornam monótonas. Mesmo que o profissional esteja fazendo o que gosta, ele pode passar por momentos em que as tarefas sejam desestimulantes. A melhor forma é tentar encarar o momento e ter iniciativa para pedir novas e diferentes tarefas. 

Por Carolina Miranda


As empresas muitas vezes passam por momentos de mudanças que atingem todos os seus funcionários. São elas troca de chefia, equipe, funções e setor, que podem fazer com que os empregados tenham que se adaptar ao novo momento da organização e saírem da acomodação. Os profissionais que possuem maior facilidade com mudanças saem em vantagem desses momentos.

Segundo a coach Daniela do Lago, os profissionais são acostumados a ficarem sempre em uma mesma situação, quando acontece alguma mudança, essas pessoas sofrem muito. A maioria tem medo do novo porque a novidade gera insegurança, começar tudo de novo gera desconforto a muita gente.

Outros conseguem se adaptar melhor e até mesmo gostam de mudanças. De acordo com a especialista em treinamento e desenvolvimento Lucienne Baldez, alguns profissionais têm uma melhor visão das novidades e as enxergam como uma oportunidade dentro da empresa. O segredo é manter a autoestima elevada, a emoção, sempre interagir com todos e saber ouvir e respeitar o limite de cada um.

Para conseguir colocar em prática todas as qualidades citadas acima é preciso de conhecimento, prática e muito treino. Só com o tempo e com o esforço do profissional é que ele vai conseguir passar por mudanças dentro da empresa sem sofrimentos.

No mundo exigente de hoje, pela opinião do headhunter Luiz Pagnez, o profissional que não se adapta às novidades da empresa pode até mesmo comprometer seu emprego. Se ele não conseguir passar pelas mudanças sem sofrimentos, o empregado pode ficar em desvantagem entre os seus colegas e será o foco para a dispensa.

As principais dicas desses especialistas são, em primeiro lugar, aceitar as mudanças. Não adianta ficar reclamando e tentar resistir à mudança. Se ela é necessária para a empresa, a única opção do profissional é aceitá-la e auxiliar a organização nesse processo. Caso contrário o risco de ser demitido é grande.

O próximo passo é controlar as emoções. Nada de stress e de se aborrecer com as novidades. O melhor a se fazer é trabalhar para que o resultado final seja positivo. Manter a ordem nesses momentos também é fundamental. Por fim, aprenda coisas novas. A mudança sempre traz novas experiências e estimula o profissional a estudar mais e aprender mais. Em momentos de mudanças, atualize-se. 

Por Carolina Miranda


Encontrar pessoas que queiram mudar de emprego, com certeza, não é algo difícil e neste exato momento até você pode estar passando por uma situação do tipo. Aquela vontade quase que incontrolável de mudar de trabalho afeta mais da metade das pessoas que estão empregadas atualmente, como pode perceber muitas pessoas passam por esse problema ao longo da vida laboral.

Quando se decide mudar de empresa, não necessariamente o problema pode estar no local de trabalho, muitas vezes as dificuldades estão na personalidade do profissional e em muitas ocasiões mesmo que o individuo altere o seu local de trabalho ele continuará com problemas visto que somente o endereço do emprego será alterado e a parte interna (onde reside o real incômodo) ainda não foi alterado.

A primeira coisa a se fazer quando as pessoas decidem mudar de emprego é o fato de se essa mudança está atrelada à insatisfação com aspectos da empresa ou se você está sentindo necessidade de mudar de área. Nesse sentido, quando a insatisfação com o local de trabalho torna-se insuportável ao ponto de desejar mudar de emprego, deve-se verificar o clima organizacional, geralmente quando o chefe tem uma boa relação, é um líder nato motivando e incentivando os colaboradores, as chances que as pessoas sofram com situações ligadas à organização diminuem consideravelmente, caso o gestor não tenha essa competência, o empregado pode colocar-se no posto de vítima da situação indicando que os outros são responsáveis pelo clima tenso no trabalho, ou começar as mudanças por si mesmo.

No caso de que o próprio gestor sofra com a sua falta de competência para lidar com os subordinados, ele também poderá assumir uma dessas posturas e assim decidir se ficará se comportando como vítima ou buscar as habilidades necessárias para um mentor ou coach de excelência.

Obviamente, o comportamento do gestor não é o único aspecto que determina a mudança de emprego, outros como o aumento de salário, questões ligadas à falta de reconhecimento também influenciam, estar sobrecarregado de tarefas, entre outras.

A questão chave está em que o profissional deve estar atento e verificar que a mudança do local de trabalho deve estar alinhada com a mudança de atitudes, respeito à visão de mundo e posturas adotadas. A insatisfação somente será solucionada quando a mudança externa for acompanhada de uma mudança interna.

Por Melina Menezes


Às vezes é difícil e até parece ser impossível manter o foco naquilo que você mais precisa. Você sabe quando chegou ao fundo do poço, por exemplo, quando abriu mão de um trabalho importante para ficar em redes sociais ou quando deixou de fazer algo importante com a sua família por causa da rotina do seu trabalho. Sentir-se arrependido não fará você voltar atrás e resgatar o tempo perdido. Primeiramente, mantenha a calma, pois tudo ficará bem.

Antes de tomar qualquer atitude, conheça o Método Pomodoro, um método revolucionário que vai te ajudar a gerenciar o seu tempo, e ainda de uma maneira mais divertida, assim, você dará um gás nos dias que nada parece sair do lugar. Você só precisará de um timer de cozinha (igual ao de cozinheiro se quiser manter o nome do método fiel), pode ser um aplicativo para celular (sim, já existe um) ou qualquer site que tenha um timer.

Como um bom ganhador de tempo, vamos usar como exemplo um aplicativo para smartphone. Primeiro, faça uma lista de tudo que você queira tirar da frente no dia. Por exemplo:

– Responder seus e-mails atrasados;

– Enviar um orçamento para algum cliente seu;

– Fazer uma apresentação para uma reunião de trabalho amanhã;

– Fazer um relatório do mês de abril.

O método consiste em dividir seu tempo em blocos de 25 minutos cada, chamados de pomodoros. A cada pomodoro, ou tempo, você deve fazer uma pausa de 5 minutos (só 5 minutos, ok?), depois, a cada 4 pomodoros, você fará uma pausa mais longa (de 15 ou 20 minutos, apenas). A intenção é de que você foque em apenas uma tarefa de cada vez (por exemplo, responder aos e-mails atrasados) contando seu tempo em blocos, sem nenhuma distração, ou seja, será proibido fazer qualquer outra coisa entre um pomodoro e outro, que não seja a tarefa focada. Durante os intervalos, pode fazer qualquer coisa: ir ao banheiro, tomar um café ou simplesmente dar uma olhadinha na internet. Se você é um ser de muita persistência e conseguiu terminar todas as suas tarefas em menos de um pomodoro, poderá aproveitar esse tempo para colocar outras tarefas importantes em dia, dessa vez mais simples e mais leve.

Por Daniela Almeida da Silva


O bullying é um tema muito tratado em escolas, mas hoje ele também precisa ser discutido em empresas, pois muitos profissionais mencionam estar sendo prejudicados devido a algumas atitudes que acontecem dentro de uma equipe de trabalho, e aqui vamos falar um pouco mais sobre o assunto.

Engana-se quem pensa que o bullying acontece apenas de patrão para subordinado, pois foi constatado que uma boa parte se refere a colegas de trabalho, e isso está sendo cada vez mais prejudicial para a vida e bem-estar de quem sofre esse tipo de assédio, e também para a empresa, que muitas vezes tem o seu desempenho de qualidade em baixo nível.

O Instituto de Bullying no Trabalho, dos Estados Unidos, divulgou neste ano de 2014 um resultado de uma pesquisa realizada em que mostra que a maior parte dos profissionais que sofrem com o bullying nas empresas é praticado entre colegas do mesmo nível hierárquico, ou em um nível parecido.

Nos Estados Unidos isso aconteceu em cerca de 72% dos empregados norte-americanos, e 28% dos casos aconteceram entre os colegas de trabalho, como mencionado acima.

E um dos dados mais negativo é que isso acontece muitas vezes porque o profissional de destaca na sua função, porém não é reconhecido pela empresa tendo uma promoção, por exemplo, e isso muitas vezes gera piadas de mau gosto, o que pode deixar o funcionário com indícios de depressão.

Porém, de acordo com essa pesquisa, muitas das pessoas que sofrem com bullying nas empresas possuem um bom jogo de cintura e não deixa que isso chegue até os seus superiores, por isso, a nossa indicação é que se um ato como esse acontecer no local em que trabalha, o ideal é que isso seja tratado o quanto antes, pois já está mais do que claro que o bullying pode deixar uma pessoa depressiva, entre outros malefícios.

Por Josiane Fernandes de Jesus


As pessoas nunca fazem ideia de como usam o corpo no dia a dia profissional. Atender ao telefone, digitar no computador ou ficar sentado na cadeira, por exemplo, exige muito esforço dos seus músculos. Por isso, para não deixar o organismo sobrecarregado, pratique a ginástica laboral.

A ginástica laboral é uma prática que ajuda a posicionar melhor o seu corpo durante o trabalho, pois ela envolve uma série de exercícios que são realizados durante a jornada de trabalho, e tem o objetivo de ajustar a postura e interromper movimentos repetitivos, prevenindo lesões.

Quem costuma ficar sentado o dia inteiro com a postura incorreta, pode acentuar as curvaturas da coluna cervical, e isso pode ocasionar sérias lesões. Por isso, mantenha a postura correta no dia a dia, pois é o primeiro passo para manter a saúde da postura. Além disso, uma postura adequada favorece a dinâmica do bom funcionamento dos seguintes órgãos: coração,  pulmão e alguns músculos, como o diafragma. 

O ideal mesmo é ajustar o assento da cadeira de acordo com a altura da mesa que você trabalha, pois isso fará com que os cotovelos apoiados formem um ângulo de 90º no braço. Esse mesmo ângulo deverá ser alcançado em seus joelhos, para que os pés possam se manter apoiados no chão. As costas devem estar encostadas no encosto da cadeira, que precisa ter uma leve inclinação.

Para não forçar muito o pescoço ou os olhos, será preciso se posicionar mirando o centro da tela do seu computador, ou ser capaz de ler tudo nela sem fazer esforços para movimentar a cabeça para cima ou para baixo. 

Para relaxar o corpo e sua musculatura durante a rotina de trabalho no escritório, é preciso fazer alguns exercícios de alongamento que envolvem técnicas com as mãos,  braços,  ombros e principalmente a coluna cervical. Esses exercícios devem ser realizados entre 15 e 20 minutos, durante três vezes por semana, no mínimo.

Por Daniela Almeida da Silva





CONTINUE NAVEGANDO: