Confira aqui algumas dicas de como pedir demissão e deixar as portas abertas na empresa.

Você está empregado, mas surgiu uma nova proposta de trabalho? Uma hora ou outra todo profissional passa por essa situação. Nesse caso, é necessário pedir demissão, mas em tempos em que a economia do país é instável e o mercado está cada vez mais dinâmico, é importante que esse processo seja feito da maneira certa, de modo que você mantenha as portas abertas se quiser voltar futuramente.

Com algumas atitudes simples é possível se desligar do seu emprego atual sem causar nenhum tipo de mal-estar que possa comprometer a sua imagem e credibilidade, seja com o chefe ou com os colegas de trabalho.

Quer saber mais? Confira, abaixo, como você pode pedir demissão sem fechar as portas na empresa!

1. Escolha o melhor dia para comunicar a sua demissão

Cada empresa segue uma programação, sendo que existem dias da semana que costuma ser mais tensos no ambiente de trabalho. Por isso, depois de tomar a sua decisão de pedir demissão, é necessário escolher um dia tranquilo para comunicá-la ao seu superior. Assim, há menos riscos de causar problemas que prejudiquem a sua imagem profissional.

2. Fale primeiro com o seu chefe

Ao receber uma nova proposta de emprego, o ideal é evitar comentar isso com os seus colegas de trabalho. Isso porque a notícia pode se espalhar pela empresa e chegar aos ouvidos do seu chefe, que pode se sentir traído e pensar que você está agindo pelas costas deles. Tudo isso compromete a confiança que foi depositada em você anteriormente.

Portanto, procure o seu chefe e agende uma hora para tratar do assunto, de preferência na sala dele. Não deixe para falar de última hora, nem o chame no cantinho do corredor para fazer o comunicado. Tenha em mente que isso é um momento importante e requer atenção.

3. Conte os motivos do seu pedido de demissão

Se você aceitou uma nova proposta é porque ela é mais vantajosa do que o seu emprego atual, não é mesmo? De forma respeitosa, dê esse feedback para a empresa, até mesmo para que ela possa melhorar para não perder os seus talentos. Conte porque a outra proposta é mais vantajosa, se oferece mais oportunidade de crescimento, um salário maior, entre outras coisas.

Seja sincero, mas tome cuidado para não trazer à tona assuntos delicados e que possam gerar desconfortos. Se um dos motivos da sua saída é um desentendimento com um colega de trabalho, tenha a consciência de que essa não é a melhor hora para lavar a roupa suja.

4. Conclua o seu trabalho

Está participando de um projeto importante que depende muito da sua atuação? Não é aconselhável pedir demissão e largar tudo para trás, deixando a empresa na mão. Essa atitude, com certeza, pode minar a sua chance de voltar a trabalhar no mesmo lugar.

Pergunte ao seu chefe o que você precisa fazer para concluir os seus afazeres com integridade. Se possível, permaneça na empresa até a contratação do seu substituto, ajudando no treinamento do novo colaborador. Dessa forma, você demonstra a sua preocupação em não prejudicar o andamento das atividades da organização.

5. Agradeça e se coloque à disposição

Não seja o tipo de funcionário que sai da empresa falando mal de todo mundo. Mostre que você tem uma postura madura e que é grato pela oportunidade que recebeu, bem como pelos aprendizados que deve durante o tempo que permaneceu na companhia.

Ante de sair da empresa, agradeça ao seu chefe de maneira educada e com cordialidade pelas coisas boas que você viveu na organização. Recomenda-se enviar um e-mail de agradecimento tanto para o chefe quanto para os colegas de trabalho.

Com isso, você pode se desligar e ao mesmo tempo deixar uma boa impressão pessoal e profissional, o que contribui para que você continue sendo bem-vindo na empresa.

Texto por Simone Leal


Confira aqui as novas regras para Análise de Recursos do Seguro Desemprego.

Como a maioria já sabe, o seguro-desemprego é um beneficio criado com destinação ao trabalhador demitido sem justa causa e a depender do período trabalhado, o requerente (trabalhador) tem direito a receber entre 3 a 5 parcelas de seguro-desemprego.

Agora, após muitas reclamações no PROCON e SAC, o Ministério do Trabalho mudou as regras para recebimento do auxílio com o intuito de agilizar os processos de análise dos pedidos de seguro-desemprego. O Ministério do Trabalho anunciou no dia 06 de junho de 2016 (segunda-feira) a mudança de algumas regras. As mudanças estarão em operação plena a partir da semana que vem, segundo o Ministério, e vem com a esperança de cortar a grande burocracia enfrentada pelos requerentes do benefício, além de um novo sistema mais rápido e eficiente.

 Entre as principais mudanças estão à constatação de documentos para análise dos recursos. Veja a seguir as principais mudanças no sistema de seguro-desemprego:

Sociedade Desfeita: Para pessoas que constem no sistema como trabalhadores ativos de sociedades desfeitas, será permitida a certidão oferecida pelo cartório de registro civil ou pela junta comercial, onde deve constar que de fato houve exclusão do quadro societário. Essa regra também é válida para quem alega não receber renda, não ter feito parte da equipe da empresa em questão ou ter tido participação relevante nas contas.

Empresa Fechada: Nas situações em que o trabalhador conste nos sistemas do governo como parte de uma sociedade, será admitida a Certidão de Baixa de Inscrição no CNPJ, que pode ser declarada de forma isenta no site da Receita Federal, como prova de que de fato a empresa não opera mais.

Além disso, critérios para ex-administradores que não faziam parte de sociedade da empresa, nas situações em que a falência havia sido decretada, mas que ainda não consta a baixa do CNPJ na Receita.

E ainda. Agora não será mais necessária a abertura de um novo processo em questão de recursos administrativos negados, basta solicitar uma reanalise por parte do recorrente.

As novas medidas foram coordenadas pelo Controle Interno do Ministério do Trabalho, Advocacia-Geral da União, Defensoria Pública da União e a Controladoria-Geral da União.

Wendel Dias Quaresma


Confira aqui os principais motivos que podem levar a Demissão por Justa Causa.

A demissão por justa causa ocorre quando o contrato de trabalho é cancelado devido alguma falta grave cometida pelo trabalhador, como furtos de bens e valores da empresa, práticas de vandalismo, assistir vídeos pornôs através dos computadores da empresa, trabalhar embriagado, ofensas, assédio sexual, passar informações secretas para terceiros, quando abandona o emprego, entre outros.

O ato de demissão por justa causa só ocorre quando realmente não tem outra solução, nesse caso o trabalhador deixa de ter direito a seguro desemprego, aviso prévio e FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

Vale ressaltar que dependendo do caso, o empregado leva advertência três vezes antes da demissão por justa causa, as três advertências devem ser pelo mesmo motivo. Se o empregado insistir em cometer os mesmos erros cometidos anteriormente, ele será demitido por justa causa. Caso a empresa não demita o empregado após as três advertências, a justiça considerará como se a empresa tivesse perdoado o empregado.

De acordo com o artigo 482 pertencente à Consolidação das Leis de Trabalho (CLT), os principais motivos que ocasionam a demissão por justa causa são:

Ato de Improbidade

A demissão por justa causa devida o ato de improbidade se dá quando o empregado rouba algo da empresa, sendo isso informações secretas, dados pessoais, materiais ou produtos pertencentes ao escritório ou acessa sem permissão o computador do colega de trabalho.

Incontinência de Conduta e Mau Procedimento

O empregado corre o risco de ser demitido por justa causa quando comete algum ato de incontinência de conduta e mau procedimento, assistindo filmes pornográficos nos computadores da empresa, cometendo práticas arrogantes, não respeitando os valores da empresa, cometendo assédio sexual, entre outros.

Concorrência Desleal

O empregado comete uma concorrência desleal quando utiliza meios para encaminhar e-mails aos concorrentes da empresa, oferece trabalhos, inicia uma empresa para vender produtos iguais ao da empresa em que está trabalhando, etc.

Condenação Criminal

Quando o empregado está preso e impossibilitado de comparecer ao local de trabalho, ele será sim demitido por justa causa. Isto não ocorrerá devido à prisão, pois muitas vezes a prisão pode ocorrer porque não pagou a pensão, mas sim pelo ato dele não conseguir comparecer no trabalho por vários dias.

Embriaguez Habitual e em Serviço

O empregado não pode e nem deve trabalhar embriagado ou sob efeito de drogas. Se isso acontecer, ele pode sim ser demitido por justa causa.

Violação de Segredo da Empresa:

A partir do momento em que o empregado passa informações secretas para terceiros, como senha de e-mails, dados de clientes, etc., ele pode sim sofrer uma demissão por justa causa, pois ele cometeu a violação de segredo da empresa.

Esses são alguns dos motivos que podem ocasionar uma demissão por justa causa. Para evitar passar por isso, é importante o empregado conhecer bem a empresa em que está trabalhando, respeitar seus valores, respeitar as regras fornecidas e manter uma boa comunicação com o empregador.

Aline Aparecida Feitosa Dias


Confira aqui quais passos tomar ao ser demitido de seu trabalho.

Perder o emprego sempre foi com um divisor de águas na vida de todo empregado. É impossível não parar para se perguntar como será daqui em diante, como fazer para manter em dia os compromissos financeiros, o orçamento doméstico e tudo mais.

Esses questionamentos ganham maior dimensão no turbulento cenário econômico que estamos vivenciando no país. De acordo com os últimos dados apresentados pelo IBGE, estamos tecnicamente vivendo um período de recessão econômica, com base na contração apresentada pelo PIB Nacional no último trimestre.

Mas o que fazer depois de ser demitido? Será que está tudo de fato perdido?

Se você acabou de perder o emprego ou só de pensar na possibilidade já perde uma noite de sono se preocupando, este artigo é para você. Continue lendo e saiba: O que fazer após ser demitido?

1. Invista em Aperfeiçoamento:

Você acabou de perder o emprego, não sabe quanto tempo irá demorar a conseguir uma recolocação, portanto, fica inseguro em usar suas economias para realizar um curso ou qualificação. Entretanto, com a baixa oferta de empregos, é muito importante ter um diferencial para conseguir voltar ao mercado. Planeje-se financeiramente e realize algum curso de idiomas, por exemplo, ou se possível quem sabe até mesmo um intercâmbio.

2. Como não ser esquecido pelo mercado:

É unanimidade entre os especialistas em RH que este é o melhor momento para usar da famosa network, por meio de sua rede de relacionamentos. Para isso, busque contato com ex-colegas de trabalho e chefes que possam lhe proporcionar boas referências, ou mesmo informá-los quanto a sua disponibilidade no mercado e saber onde podem surgir novas vagas.

Revise também seu perfil em redes sociais como Linkedin e outros sites de vagas de emprego.

3. Não se deixe abater pelas dificuldades:

Nada de desanimar, possíveis nãos poderão sim surgir pelo caminho. Entretanto, você precisa se manter o mais ativo possível. Para isso, busque encontrar-se com profissionais da área, buscando informações de como anda o mercado, reavalie suas pretensões profissionais. Esforce-se para se manter ativo até a recolocação chegar.

4. Revise seu Currículo:

Ele é sua primeira apresentação a um possível empregador, logo, reveja-o. Não é indicado que o currículo tenha mais de duas páginas, além de que as informações contidas devem ser claras a ponto de que o recrutador consiga entender sua trajetória profissional apenas lendo-o.

Outra dica importante é: sempre que for convidado a uma entrevista presencial, pesquise previamente sobre a empresa e a vaga, demonstre isso no contato com o recrutador, eles valorizam este comportamento que demonstra interesse efetivo por parte do candidato.

Por Jaime Pargan


O profissional deve ter certas posturas para evitar ser demitido em tempos de crise.

Manter o emprego em tempos de crise, não é uma das tarefas mais simples, principalmente quando a empresa precisa cortar gastos. Mas, muitos profissionais são demitidos por outros fatores como, por exemplo, a falta de harmonia no ambiente profissional, a briga pelo poder, bajulação excessiva, intriga entre outros fatores. Que tal conferir algumas dicas para evitar a demissão no ambiente profissional?

O profissional deve procurar ter uma visão de futuro, ou seja, procurar ampliar os horizontes. Isso inspira e estimula a imaginação, para que resultados positivos possam ser alcançados. Desta forma, além de pensar no presente, a pessoa deve buscar potencializar e desenvolver uma visão de futuro.

Além disso, é fundamental que a pessoa tenha integridade e esteja comprometida com a ética da empresa. Assim, a honestidade e a verdade devem estar presentes nas ações do profissional e nos comportamentos. O comprometimento com as atividades também é requisito fundamental para o sucesso na empresa, por isso, é essencial demonstrar coragem, autoconfiança e crença na equipe de trabalho.

O profissional deve aprender a lidar com as adversidades no ambiente de trabalho e ter maturidade para encarar os conflitos, que são comuns. É importante tentar manter um ambiente positivo e potencializar as diversidades da Companhia, além de ser um membro ativo.

A iniciativa também é essencial, ou seja, as Organizações desejam um colaborador proativo, que tenta antecipar os problemas, para solucioná-los e, assim, encontrar soluções favoráveis e criativas.  A burocracia deve ser evitada, sendo necessário ter clareza, simplicidade e foco.

O profissional deve ser resiliente e vestir a camisa da empresa, ou seja, ir além do esperado, alcançar (ou superar) metas e ter equilíbrio no momento de tomadas de decisão. Além disso, o colaborador deve investir na sua formação e crescimento profissional, ou seja, não parar de estudar e procurar se desenvolver por meio de curso, congresso, workshop, entre outros.

Gostou das dicas? Compartilhe com os seus amigos pelas redes sociais. 

Por Babi


70% dos profissionais demoram em média entre 9 e 12 meses para encontrar uma nova possibilidade no mercado de trabalho, por isso é essencial que o profissional mantenha uma atitude positiva e busque superar a perda do emprego para voltar mais rápido

O cenário econômico do País não está favorável aos trabalhadores, que temem pela demissão. Devido à crise, muitas indústrias demitem seus colaboradores com a finalidade de reter custos, para economizar. Este quadro proporciona instabilidade para o profissional, porém, mesmo desempregado é fundamental manter uma atitude positiva, para buscar uma recolocação no mercado de trabalho.

Os profissionais que têm dificuldade em lidar com a situação e perdem tempo se lamentando, tendem a demorar para encontrar outra vaga, o que pode representar um tempo maior. Ou seja, a pessoa que mantém uma atitude positiva e encara de frente a situação pode encontrar uma oportunidade em menos tempo. Segundo especialistas, por exemplo, 70% dos profissionais demoram em média entre 9 e 12 meses para encontrar uma nova possibilidade no mercado de trabalho.

Desta forma, o profissional deve saber lidar para superar a perda do emprego e encarar o desafio. Assim, é fundamental que ele saiba negociar as dívidas para encontrar novos prazos de pagamento, cortar despesas e até reduzir o padrão de vida. Ou seja, é necessário ter um equilíbrio emocional e enfrentar a tempestade.

Portanto, o profissional não deve perder tempo se lamentando e sim tentar encontrar outras possibilidades no caminho e a superação é um fator chave. A busca por um novo emprego é um trabalho que exige tempo, dedicação e muita paciência, além de otimismo. É necessário encarar com fé e energia, para encontrar a recolocação.

Além disso, o profissional pode aproveitar o momento para repensar a sua carreira, porque ele pode resolver atuar de forma autônoma no mercado de trabalho ou mesmo ser empreendedor. É necessário superar o luto de forma rápida, para começar a agir, para que os objetivos sejam reestabelecidos.

Por isso, o profissional deve atualizar o currículo, entrar em contato com o networking e tentar superar o desafio, para ser recolocado no mercado de trabalho em uma nova posição.  

Por Babi


A cidade do Rio de Janeiro (RJ) foi a mais afetada com as demissões neste ano de 2015. Mais de 36 mil empregos foram fechados na cidade.

O desemprego tem sido um dos principais temores dos brasileiros com a fragilidade da atual economia. De acordo com uma pesquisa lançada esta semana, mais da metade dos brasileiros estão pessimistas em relação aos próximos meses. Eles acreditam que a situação da economia brasileira irá se agravar, afetando diretamente o mercado de trabalho.   

A apreensão também é revelada no seguinte número: 70% dos brasileiros conhecem alguém que está desempregado. Segundo as últimas informações do Ministério do Trabalho, no mês passado, o Brasil fechou mais de 11 mil vagas de emprego. Este número é o pior resultado desde o mês de junho de 1992. No ano, foram fechadas 345 mil empregos no país.   

A cidade do Rio de Janeiro/RJ é a mais afetada pelas demissões e cortes de vagas. São mais de 36 mil empregos que foram fechados na cidade desde o início do ano.

Juntas, as 20 primeiras cidades correspondem a 70% das demissões no mercado de trabalho desde o início do ano.   

Os dados abaixo são ajustados em conformidade com CAGED de junho deste ano.

Confira as 10 cidades mais afetadas pela onda de desemprego no país:  

– Rio de Janeiro/RJ – 36,5 mil empregos fechados 

Setor mais afetado: Comércio – 15,1 mil empregos cortados.   

– São Paulo/SP – 31,3 mil empregos fechados 

Setor mais afetado: Comércio – 16,2 mil empregos cortados.   

– Belo Horizonte/MG – 26,6 mil empregos fechados 

Setor mais afetado: Construção Civil – 10,1 empregos cortados.   

– Salvador/BA – 18,8 mil empregos fechados 

Setor mais afetado: Construção Civil – 7,2 mil empregos cortados. 

– Recife/PE – 18 mil empregos fechados 

Setor mais afetado: Serviços – 9,8 mil empregos cortados.   

– Manaus/AM – 17 mil empregos fechados 

Setor mais afetado: Indústria da transformação – 11,1 mil empregos cortados.  

– Ipojuca/PE – 17 mil empregos fechados

Setor mais afetado: Construção Civil – 12,9 mil empregos cortados.   

– São Bernardo do Campo/SP – 10 mil empregos fechados 

Setor mais afetado: Indústria de transformação – 4,7 mil empregos cortados.   

– Fortaleza/CE – 9,1 mil empregos fechados 

Setor mais afetado: Comércio – 5,3 mil empregos cortados.   

– Guarulhos (SP) – 8,4 mil empregos fechados 

Setor mais afetado: Indústria de transformação – 5 mil empregos cortados.

Por William Nascimento


Você foi demitido? Esta não é uma situação fácil de encarar, mas é preciso. É preciso ser forte e acreditar que melhores oportunidades estão por vir. Ou seja, essa fase vai passar. Mas, apesar de ser um momento complicado, ele traz, também, muito aprendizado para a sua vida profissional e pessoal.

Depois de alguns dias, que tal repensar os fatores que o levaram a ser demitido? Cometeu algum erro? Reavalie todos os fatores positivos e negativos, e veja que lições podem ser retiradas. Desta forma, você deve evitar os erros cometidos no novo emprego.

Todavia, é preciso que você encare a situação de frente e não se deixe abater por ela. Ficar triste é inevitável, mas lembre-se de que é preciso seguir e encontrar um novo caminho. Que tal dar uma atualizada no seu currículo? Aproveite essa fase para elaborar um documento totalmente novo colocando as suas experiências, cursos e projetos que tenha realizado.

Depois, comece a buscar por novas oportunidades no mercado de trabalho: converse com os seus amigos para que eles possam te indicar para alguma vaga, procure uma agência de emprego, visite empresas e corra atrás do que almeja.

Não desperdice o seu tempo dormindo ou preocupado com coisas desnecessárias. Qual era o seu horário de trabalho na ex-empresa? Dedique-se o mesmo turno para encontrar uma vaga. Acredite em si, porque as coisas vão se ajeitar. Outra dica é aproveitar o tempo livre para estudar para um concurso público. Já pensou na ideia de ter estabilidade? Aproveite porque 2015 vão ter ótimos concursos abertos. Basta você pesquisar e depois começar a estudar para eles.

Se resolver seguir o caminho de concurso público, não desista. Mesmo que volte a trabalhar continue estudando e persista. Monte um cronograma com as matérias que precisam ser vistas, concentre-se e tenha determinação. Lembre-se de que sempre é possível recomeçar e só depende de uma pessoa: você!  

Por Babi


Geralmente, uma demissão é ocasionada por um conjunto de fatores, ou seja, raramente é por um motivo isolado. Mas, existem certas atitudes que as pessoas devem evitar, para que não sejam demitidas do local de emprego. Que tal conferir algumas?

– Cumprir os prazos:

É fundamental que os profissionais cumpram os prazos que foram estipulados. Caso não consiga, comunique antes. A pessoa que não consegue cumprir datas acaba atrapalhando não somente o seu planejamento, mas de várias pessoas também. Por isso, busque fazer as suas tarefas dentro do período de tempo determinado.

– Cuidado com os erros:

Evite cometer os mesmos erros várias vezes. Lembre-se de que errar com clientes ou fornecedores pode gerar demissão. Por isso, ao errar assuma o que aconteceu e peça desculpa. Mas não torne este erro recorrente.

– Dê valor à pontualidade:

Seja pontual nos seus compromissos. Se você trabalha viajando, evite perder voos ou atrasar em reuniões. Certamente, os profissionais que não dão valor a pontualidade, acabam acumulado pontos negativos perante a Organização. Por isso, não se atrase! E se for chegar atrasado avise com antecedência, para não deixar ninguém esperando.

– Cuidado com as fofocas:

Cuidado ao espalhar notícias falsas ou passar assuntos para frente, que não tenham a ver com o seu trabalho. Seja discreto e não repasse informações de terceiros e não fale da vida das pessoas para outro colega de trabalho.

– Não saber trabalhar em equipe:

É fundamental que o profissional saiba trabalhar em equipe e relacionar com outras pessoas. Não adianta fingir que está o tempo todo ocupado, ou seja, é fundamental saber interagir e colaborar com outras pessoas.

– Não ser educado:

Trate todo mundo bem e não fique economizando na educação. Saiba conversar e estar disponível para as pessoas. Cumprimente-as olhando nos olhos e dê atenção aos colegas que conversam com você.

– Não saber ouvir:

Saiba escutar as pessoas ao seu redor. Lembre-se de que todos têm a necessidade de conversar e falar, inclusive você.

Por Babi


Então você recebeu uma proposta tentadora e resolveu trocar de emprego? Lembre se que manter um bom relacionamento pessoal é fundamental para transações futuras. Networking não é apenas uma palavra da moda, é uma forma de se manter no mercado e ser lembrado para boas oportunidades.

Então o que não dizer?

Não aproveite o momento da despedida para falar mal de nenhum colega, tão pouco superior. Não os compare também, até por que vocês podem se reencontrar em outras empresas, pois assim como você, seu colega também pode estar em busca de outras oportunidades. Isso não impede que fale dos superiores, apenas tome cuidado com o que vai dizer.

O mesmo vale para a empresa propriamente dita. Não critique a estabilidade econômica do empreendimento, mesmo que essa seja a razão pela qual está deixando a empresa.

Não faça fofocas, se os boatos se inverterem e você acabar sendo atingido não mais estará lá para se defender. Não subestime seu sucessor, ninguém é insubstituível e o trabalho que você vinha fazendo continuará sendo executado de forma favorável. Se quiser falar de seu próprio trabalho fale enquanto ainda está na empresa a julgue a si próprio não o próximo.

Porém, abster-se de comentários também pode parecer arrogância, basta falar pouco e pensar antes nas palavras.

Levar assuntos triviais e não questões realmente importantes vão passar a impressão de que a empresa só perdeu tempo ao ter esse tipo de funcionário em seu quadro de pessoal. O profissional deve levar questões que realmente atrapalhavam a realização do seu trabalho ou que terão impacto nos resultados futuros da empresa, se for o caso, como uma crítica construtiva.

Não enalteça seu futuro trabalho, pode parecer menospreza daquele que está se desligando. Mesmo que a próxima empresa tenha benefícios e expectativas incríveis, guarde-as para si.

E por fim jamais afirme que não voltaria a trabalhar naquela empresa. O mundo dá voltas e, embora todos tenham opções em suas carreiras, é uma excelente postura manter a discrição de uma empresa que pode ser ex, mas que sempre constará no seu currículo.

Por Vivian Schetini


Se você está trabalhando e recebeu outra proposta de trabalho ou obteve aprovação em um concurso público, mas não sabe como informar ao seu chefe, confira as dicas para pedir demissão.

O primeiro passo é ter certeza da sua decisão. Se ainda está em dúvida, analise as vantagens e desvantagens que isso terá para sua carreira e faça a sua escolha para, então, marcar uma reunião com seu gestor.

Para evitar constrangimentos, só peça demissão quando tiver certeza que aquela vaga é sua. No caso de concursos, quando houver convocação e homologação. Para ingressar em outra empresa, aguarde a solicitação dos documentos e o resultado dos exames médicos.

A orientação é de falar primeiramente com o seu gestor e, depois, comunicar ao setor de recursos humanos. Desse modo, você mostra profissionalismo e respeito à hierarquia.

Seja diplomático.  Fale do motivo de sua saída, apenas se você estiver à vontade.

Caso a empresa atual tenha interesse em manter você na equipe e fizer uma contraproposta, analise-a bem. Caso decida por ficar, avise a outra companhia. Se a sua decisão for realmente de deixar a empresa, agradeça pela oportunidade e informe que está em busca de novos horizontes.

Jamais peça demissão para conseguir um aumento.  Boa Sorte!

Por Melisse V.


Quando a demissão chega, muita gente não tem a menor ideia do que tem direito a receber da empresa. Quando a pessoa que pede demissão, e tem menos de um ano de empresa, ela tem direito de receber os dias trabalhados e o valor proporcional do 13º salário e das férias.

Agora se ela pedir demissão após um ano de trabalho, ela terá direito saldo salarial, 13º salário e férias proporcionais e 1/3 das férias vencidas (caso o funcionário possua) .

Quem é demitido recebe os mesmos direitos de quem pede demissão, mais indenização de 40% do valor depositado no FGTS, aviso prévio e seguro desemprego (dependendo do caso). Ele ainda pode sacar o dinheiro do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

Fonte: InfoMoney

Por Fernanda Peixoto


Advogados trabalhistas afirmam que relacionamento amoroso no ambiente de trabalho não pode ser motivo de demissões.

Caso exista um relacionamento afetivo no trabalho, não é motivo de preocupação, uma vez que isso não caracteriza ato grave para que ocorra demissão do funcionário. Porém, não pode ocorrer contato físico no local de trabalho, o que já caracterizaria falta grave e passível de demissão por justa causa.

Beijos, abraços e relações sexuais são os motivos mais comuns de demissões por justa causa. Porém, evitando-se essas situações, não existe nenhum temor por parte dos namorados.

Mas caso o relacionamento seja entre chefe e subordinado, o bom senso reza que pelo menos um deles seja transferido, para evitar mal estar entre outros colegas.

Por José Alberi Fortes Junior


A promoção é algo que todos sonham, pois representa o crescimento profissional e o aumento do salário. Novas responsabilidades sempre são bem-vindas quando vem junto com aumento de remuneração, é melhor ainda.

Porém algumas promoções devem ser pensadas e repensadas. Alguns podem ser bons empregados e subordinados, mas podem não ser tão bons como líderes ou chefes.

Um grande problema da não correspondência às expectativas é a demissão, afinal não há a possibilidade de rebaixar salário nem função. Portanto uma boa avaliação e uma boa pesquisa sobre as novas funções são necessárias para que a promoção seja o inicio de uma escalada de sucesso, e não o princípio da saída da empresa.

Por José Alberi Fortes Junior

O mercado de trabalho está aquecido e as oportunidades são muitas. Há quem esteja plenamente satisfeito com o emprego que tem, quer pelas boas condições, ambiente, valorização e reconhecimento profissional, ou pelo excelente salário. Contudo, há quem, por razões diversas, não esteja contente.

É muito comum as pessoas falarem das insatisfações e dizerem que não vêem a hora da demissão para partirem para outra.

Mas será preciso esperar pela demissão?

Com tantas oportunidades disponíveis não será melhor elaborar um bom currículo e disponibilizá-lo às empresas com vagas atraentes, já? É bom começar a se organizar.

A pessoa, depois de um certo período desempregada, fica meio desesperada em razão da falta de dinheiro e necessidade de sentir-se útil no trabalho. Isso pode piorar a situação e levar o indivíduo, num ato impensado, a aceitar a primeira oportunidade que surgir e depois se arrepender, mas já estará feito. Por outro lado, nas entrevistas o selecionador poderá notar a fragilidade do candidato e isso não é bom.

Planeje a sua carreira e organize as informações pessoais, não espere que caia a casa para depois pensar em construir outra. Seja esperto e proteja-se dos imprevistos da vida.

Por Lindomar Vieira




CONTINUE NAVEGANDO: